Lorem quis bibendum auci Lorem gravida nibh vel velit auctor aliquet. Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auci elit consequat ipsutis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate cursu. Ut enim ad minim veniam.

Follow me on instagram

© 2016 Your Business Name!

Organizações para fortalecer a luta contra o genocídio negro e desmilitarização da polícia

Organizações para fortalecer a luta contra o genocídio negro e desmilitarização da polícia

O assassinado de João Pedro Mattos, de 14 anos, pelo braço armado do Estado durante uma operação da Polícia Civil e da Polícia Federal no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio que aconteceu na segunda-feira, 18, foi mais um dos milhares que acontecem em território nacional, em especial nas periferias das cidades.

Segundo a 13ª edição do Anuário da Violência, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública em 2019,  75,4% das vítimas pelas polícias brasileiras eram negros. No estudo, uma das conclusões é que no Rio de Janeiro, indivíduos negros possuem 23,5% mais chances de serem mortos, em comparação aos não negros e ainda jovens negros tem 147% mais chances de serem assassinados do que brancos, amarelos e indígenas. A matéria feita pelo portal Alma Negra destrincha ainda mais a pesquisa e pode ser lida aqui.

Com a notícia do assassinato de João vem a sensação de impotência: como mais podemos lutar para que esses crimes autorizados pelo Estado parem de acontecer? As respostas são muitas, porém um bom jeito de começar é entender sobre o tema e apoiar organizações que já atuam em várias esferas pelo combate ao genocídio negro.

Para começar, vale acompanhar essa entrevista com o delegado Orlando Zaccone, conhecido por defender o  direito penal minimalista.

Neste perfil feito pelo jornalista Bernardo Esteve para “Revista Piauí”, dá para saber mais sobre o delegado.

Outro perfil interessante é o do Joel Luiz, advogado criminal da favela Jacarezinho e do Fórum Grita Baixada. É membro da Reforma e colunista da Agência de Notícias de Favelas.

Nesta coluna do jornal Intercept Brasil, Joel narra um pouco de sua trajetória e luta

E não podemos deixar de citar o vídeo incrível das ativistas e pesquisadoras Gabrielle Nascimento, Suzane Jardim e Raíssa Belintani com a Jout Jout sobre encarceramento em massa.

E claro, a leitura do livro “Encarceramento em Massa” da pesquisadora Juliana Martins.

Existem mais uma dezena de livros sobre o tema, incluindo “Estarão as prisões obsoletas?” da referência mundial Angela Davis e estamos programando em breve um post dedicado exclusivo ao tema.Segue agora as organizações que ja atuam no combate à repressão policial e genocídio da população negra:

Coalizão negra por direitosA coalizão reune mais de 150 organizações e conta com 14 pontos de atuação e 25 agendas, entre elas “o fim do encarceramento em massa, das torturas, violações e mortes promovidas em presídios, delegacias, casas de detenção e centros de cumprimento de medidas socioeducativas; além da fiscalização, e prevenção, rumo a um projeto antipunitivista e ao fim das prisões”.Nesse link você consegue acessar todas as pautas e também a lista com todas as organizações que compõem a coalização.
Mães de Manguinhos“É um movimento formado por Mães da Favela de Manguinhos -RJ, que tem filhos encarcerados ou que perderam seus filhos pelo braço armado do Estado, a polícia Racista e Fascista Brasileira”, diz o Facebook do grupo que pode ser acessado neste link.
Movimento Mães de Maio

Assim como grupo carioca, o coletivo Mães de Maio luta por Memória, Verdade e Justiça na cidade de São Paulo. Veja mais na página do grupo no Facebook.

Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência

A Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência é um movimento social independente do Estado, de empresas, partidos políticos e igrejas, que reúne moradores de favelas e comunidades pobres em geral, sobreviventes e familiares de vítimas da violência policial ou militar, e militantes populares e de direitos humanos. Saiba mais no site da rede e no perfil no Facebook.

Iniciativa Direito à memória e Justiça Racial
 “A Iniciativa Direito à Memória e a Justiça Racial é apoiada pela Ford Foundation com objetivo de racializar a discussão e ação no campo da segurança pública na Baixada Fluminense, no estado do RJ e Brasil”, diz a página do Facebook da organização que pode ser acessada neste link.
Justiça Global 
“A Justiça Global é uma organização não governamental de direitos humanos que trabalha com a proteção e promoção dos direitos humanos e o fortalecimento da sociedade civil e da democracia. Fundada em novembro de 1999, nossas ações visam denunciar violações de direitos humanos; incidir nos processos de formulação de políticas públicas, baseadas nos direitos fundamentais e na equidade de gênero e raça; impulsionar o fortalecimento das instituições democráticas; e exigir a garantia de direitos para as vítimas de violações e defensoras/es de direitos humanos. Estamos organizados em quatro programas temáticos e uma área administrativa, conformando uma equipe multidisciplinar, que realiza suas atividades articulando estratégias de pesquisa e documentação, litigância, advocacy, comunicação e formação”, explica o site da organização que pode ser acessado neste link.
Centro de Acolhida e Cultura Casa 1
No Comments

Leave a Reply