Entrega de Cesta Básica

CESTA BÁSICA PARA ALÉM DA COMIDA

Ao receber cestas básicas, uma pessoa conquista também a escolha de pagar o aluguel, as passagens de ônibus, e outras necessidades que não seriam prioridade

Na Casa 1, existe um grupo de trabalho focado na construção de redes de apoio para a comunidade LGBT+ e para a vizinhança do Bixiga que se encontra em contexto de vulnerabilidade social. Por isso, desde 2017, é realizado um trabalho de assistência social que já acolheu milhares de pessoas através de serviços como doação de roupas, atendimentos de escuta e entrega de copos de água.

A distribuição de cestas básicas  também representa uma frente desse trabalho que, durante a pandemia, representou uma ajuda fundamental para muitas pessoas. Ao todo, foram distribuídas 3500 cestas, entre maio e setembro de 2020. Confira os números:

Em ordem de prioridade máxima, as cestas são distribuídas primeiramente para pessoas trans, depois para pessoas LGB negras; pessoas LGB brancas e para famílias com mais de 3 filhos e filhas. A criação dessa ordem vai de encontro com a política de combate à lgbtfobia ao mesmo tempo em que promove o diálogo e a convivência de pessoas de origens e histórias diversas. É por isso que a vinculação territorial é tão importante na hora das doações, pois assim a gente traça uma aliança entre vizinhos e vizinhas, e a comunidade LGBT+.

E, infelizmente, esse serviço comunitário se torna cada vez mais urgente. Isso porque, com o fim do auxílio emergencial e do programa de proteção ao emprego, e com o aumento do desemprego*, aumenta também o número de famílias em situação de vulnerabilidade social e em situação de risco, fazendo com que procurem serviços de alta complexidade (artigo institucional, casa-lar, casa de passagem, residência inclusiva);

SITUAÇÃO DE RISCO 

A pobreza, falta de acesso a políticas sociais básicas (assistência social, previdência e saúde), falta de moradia digna, entre outros agravos sociais são condicionantes que facilitam a passagem da população em situação de vulnerabilidade social para a situação de risco.

A terminologia “risco” se refere justamente ao risco de sua sobrevivência, no geral, como consequência de violências e extremo desamparo estatal. Neste contexto, a assistência social é fundamental para o amparo das pessoas e famílias.

Diante de toda essa situação, se faz extremamente necessária a continuidade da entrega de cestas básicas, já que elas não são úteis apenas para alimentar. 

Ao ganhar uma cesta básica, uma pessoa pode optar por pagar o aluguel, comprar passagem de ônibus, medicamentos ou usar o dinheiro que seria dedicado à compra de alimentos para outras necessidades básicas. Assim, a entrega dessas milhares de cestas representa uma oportunidade para muitas pessoas de conquistar uma qualidade de vida um pouco maior.

É por isso que o trabalho da assistência social da Casa nunca para. Com a ajuda de empresas e da sociedade civil, a gente quer contribuir para que cada vez mais pessoas tenham acesso às nossas entregas. Já traçamos algumas metas, olha só:

METAS E OBJETIVOS MÍNIMOS

560 cestas por mês entre fevereiro e abril

2 mil copos de água por mês entre janeiro e julho

METAS E OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS

560 cestas por mês entre fevereiro e julho

2 mil copos de água por mês entre janeiro e julho

METAS E OBJETIVOS TOTAIS

1000 cestas por mês entre fevereiro e julho

2 mil copos de água por mês entre janeiro e julho

Se você pode colaborar com a doação de cestas básicas, entre em contato: assistenciasocial@casaum.org

*Pelo menos 800 mil pessoas perderam o emprego durante a pandemia, segundo o IBGE em São Paulo (censo 2020).

Compartilhe: