BLOG

O maior objetivo de uma biblioteca comunitária é garantir o acesso ao seu acervo

Por Daniele Gross, voluntária da Biblioteca Caio Fernando Abreu

Hoje nós viemos falar um pouco sobre a Biblioteca Comunitária Caio Fernando Abreu — a biblioteca da Casa 1! E por que é importante falar sobre a biblioteca? Primeiramente, pelo fato de ser uma biblioteca, por definição, local em que se guardam coleções de livros — mas que, por ser comunitária, tem seu acesso gratuito e de fácil acesso. “Ué? Mas não é assim em todas as bibliotecas?”. De certa forma, sim. Mas para termos acesso à gratuidade de alguma biblioteca, temos que ter acesso à instituição à qual aquele acervo pertence. Para termos acesso irrestrito — como poder retirar exemplares por empréstimo — de uma universidade, por exemplo, seja ela pública ou privada, temos que ser alunos daquele estabelecimento. Ainda em relação às bibliotecas públicas, como as que existem dentro de alguns parques, ou ainda as municipais/estaduais, o cadastro ainda é burocrático, tendo que apresentar comprovante de endereço, entre outros documentos — algo que restringe o acesso de pessoas que não tenham um endereço fixo ou algo semelhante.

Além da questão burocrática e do livre acesso aos acervos daqueles que desejarem, a grande maioria das bibliotecas cobram multas, em dinheiro, de todes os que atrasam na devolução de seus volumes ou na perda dos mesmos — e a depender do período que se demorou para realizar a devolução, os valores podem, algumas vezes, ser impraticáveis.

Para a Casa 1, a ideia de acesso democrático é bastante abrangente. Somos uma instituição que, ainda que tenha sua atuação voltada à comunidade LGBTQIAPN + , não se dedica com exclusividade a esse público. No caso da nossa biblioteca, por exemplo, o acesso é aberto a toda e qualquer pessoa que desejar ler seus livros e revistas, ou ainda assistir alguns de seus DVD’s. Além disso, não aplicamos multas em dinheiro àqueles que atrasarem na devolução ou perderem algum de nossos exemplares.

E ainda que sejamos uma instituição que se dedica a um grupo específico, nossa atuação não é exclusivista, sendo o acesso livre a todes que desejarem. E, por isso, por entendermos que o acesso a uma biblioteca deve ser facilitado, desburocratizamos o cadastro, bastando, para fazer a carteirinha, apenas apresentar documento oficial com foto e fornecer um telefone ou e-mail para contato.

Também vale destacar o quanto nós procuramos ter uma diversidade temática nem sempre encontrada nas bibliotecas tradicionais. Dessa forma, nosso acervo conta com exemplares dedicados à literatura negra, feminista, indígena e amarela, nos âmbitos teóricos e ficcionais. E, além desses temas, a Caio conta com outras seções: a de volumes informativos, aqui estando dicionários e revistas acadêmicas, como os Cadernos Pagu, voltado aos debates feministas, e que, por serem considerados livros de consulta, não circulam, ou seja, não podem ser emprestados; e nessa mesma linha, de não circulação, estão os livros de arte e os autografados em nome da Casa 1.

Como Biblioteca Comunitária, a Caio tem também forte preocupação com uma comunidade que tem pouco ou nenhum acesso a livros e, para tal, procuramos ter uma base de atuação voltada ao direito de acesso à cultura e à educação. Pensando nisso, a Casa 1 também se dedicou a montar uma coleção Vestibular, atendendo às listas dos principais vestibulares de instituições públicas — e esses volumes já estão catalogados e disponíveis para empréstimos!

E por falar nisso, apesar de estar a pleno vapor, a catalogação do acervo ainda não está completa. Dessa forma, os livros ainda não catalogados, não podem ser tomados por empréstimo. O que não significa que estejam inacessíveis. Nosso espaço, ainda que pequeno, conta com mesa e cadeiras, para leitura no local, com banheiro e água filtrada, para acesso de todes.

Então, caso você tenha interesse em algum livro que ainda não foi catalogado, não se avexe não! Sente-se e aproveite sua leitura! Se não puder ficar muito tempo, volte depois! Nossa biblioteca funciona de segunda a sábado, das 10h às 19h!

Venha nos visitar — e aproveite para fazer a sua carteirinha! Lembrando que basta trazer um documento oficial com foto! A Caio se localiza na cidade de São Paulo, no bairro da Bela Vista, pertinho da estação de metrô São Joaquim, e também próxima à Av. Brigadeiro Luís Antônio!

Rua Condessa de São Joaquim, 277 — Bela Vista — São Paulo/SP

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Casa 1 realiza Chamada Aberta de atividades para o segundo semestre

Casa 1 e Coletivo AMEM realizam Feira de Empregabilidade LGBTQIAPN+...

Casa 1 passa a receber doações através do programa Nota Fiscal Paul...

A nova adição na seção de obras autografadas, livros disponíveispar...

Casa 1 prepara pintura icônica para Jogos Olímpicos de Paris celebr...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

O que rolou de graça na Casa 1 em maio

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

“Mostra Espaços Queer no Cinema” ocupa CCSP durante mês...

Conheça Quinze Dias e outros 3livros representativos para ler e dep...

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

Tudo que rolou na Casa 1 em abril