Jornalista Caê Vasconcelos lança livro de perfis sobre pessoas transvestigêneres com relatos sobre o mercado de trabalho no Dia da Visibilidade Trans

Quantas pessoas trans fazem parte da sua vida? Quantas trabalham ao seu lado? Se você, assim como a maioria, respondeu “nenhuma”, talvez não saiba que o Brasil é o país que mais mata essa população no mundo. Um extermínio que, como sociedade, não podemos continuar a ignorar.

Pessoas trans e travestis muitas vezes enfrentam dificuldades dentro do espaço familiar. Do lado de fora, sua exclusão persiste na ausência de direitos básicos como saúde, educação, moradia e trabalho. Este último, claro sintoma de nossa transfobia estrutural, é o tema que costura os perfis aqui reunidos.  

Não há dúvidas que ser uma pessoa trans no Brasil é resistir. Daí o título Transresistência. Escrito pelo jornalista Caê Vasconcelos, este livro pretende contribuir para a visibilidade de pessoas trans e travestis, indo contra a corrente conservadora, incluindo uma vertente do feminismo – que insiste em invalidar sua existência e humanidade.

Sobre o autor:

Homem trans, bissexual, jornalista, nasceu em Vila Nova Cachoeirinha, região periférica da Zona Norte de São Paulo, onde viveu por 28 anos. Começou a escrever sobre pautas LGBT+ quando produziu, de forma independente, a primeira edição deste livro, Transresistência: histórias de pessoas trans no mercado formal de trabalho, apresentado como trabalho de conclusão do curso de jornalismo à FIAM-FAAM, em 2017. Naquele mesmo ano, começou a colaborar como repórter na Agência Mural de Jornalismo das Periferias e na Ponte Jornalismo, na editoria de direitos humanos e cultura. Em 2019, tornou-se repórter fixo da Ponte e passou a cobrir as áreas de segurança pública e sistema prisional. Saiu da Ponte em 2021 para começar a própria agência de jornalismo, feita só por pessoas transvestigêneres, que ganhará o mundo em 2022. Foi o primeiro jornalista trans a ocupar a bancada do Roda Viva na entrevista com a vereadora Erika Hilton, em fevereiro de 2021.

Instagram / Twitter

DITA LIVROS

Reflexões sobre a contemporaneidade em livros escritos por mulheres e pessoas LGBT+

Dita é palavra, o que é dito. Sorte favorável, fortuna, ventura. Destino, aquilo que tem que ser. Dita Livros é uma editora e livraria online que publica, reúne e facilita o acesso a livros escritos por mulheres e pessoas LGBT+, que abordem questões contemporâneas fundamentais. Em comum, as perspectivas de gênero, raça e classe.

Em nossa loja virtual, além dos livros próprios, oferecemos uma seleção de obras de autoras independentes e editoras parceiras. A escolha parte de recomendações de mulheres engajadas nas causas feminista, antirracista, antiLGBTfóbica e de proteção à infância, à maternidade e aos direitos humanos.

Os títulos são vendidos pela internet, com envio para todo o Brasil: ditalivros.com.br. Também podem ser encontrados em eventos, congressos e espaços culturais parceiros, como as livrarias Martins Fontes Paulista, Mandarina e Simples, em São Paulo (agenda no site e nas redes sociais: @ditalivros).

Por Casa 1

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *