BLOG

Mirando 2022 #VoteLGBT lança censo sobre participação de LGBT+ na política

Com apoio de organizações internacionais, o coletivo abre chamado para a coleta de dados sobre o papel das pessoas LGBT+ nos partidos políticos.

A partir do dia 4/8 (quarta), o coletivo #VoteLGBT lança a pesquisa “Censo +LGBT na Política”, que se propõe a coletar dados quantitativos sobre a participação de pessoas LGBT+ na política, em todos os partidos do Brasil. No questionário constam campos como informações básicas do partido; composição geral do partido; atitudes internas sobre pessoas LGBT+; mecanismos partidários; acesso às estruturas de poder e tomada de decisão; seleção de candidatos e acesso aos recursos do partido.

Para além da pesquisa, também serão realizadas entrevistas com parlamentares eleitos LGBT+, líderes e ativistas em partidos. Aqui, a ideia é coletar informações sobre o ciclo político de pessoas LGBT+ nos partidos e entender quais são as barreiras específicas enfrentadas e como superá-las.

Ao final do projeto, a ideia é elaborar um banco de dados aberto com informações quantitativas sobre pessoas LGBT+ e partidos políticos, incluindo distribuição geográfica, idade, sexo, filiação partidária, número de votos de candidatos, alocação de recursos, entre outros. O projeto é subsidiado pelas organizações National Democratic Institute e Victory Institute, que contemplaram a iniciativa do #VoteLGBT, que concorreu com outros projetos do mundo todo.

O formulário já está disponível no link: bit.ly/maislgbt 

SOBRE O PROJETO

Como principal objetivo, o #VoteLGBT busca entender o cenário atual para as pessoas LGBT+ na política institucional, especialmente nos partidos políticos no Brasil. As Eleições Municipais de 2020 viram um número recorde de candidaturas de membros da comunidade LGBT+. 

Avaliações não oficiais feitas por diferentes parceiros e consolidadas em no site votelgbt.org/eleicoes apontam para mais de 500 candidatos LGBT+ declarados nas eleições locais de 2020. No entanto, experiências anteriores e atuais mostram que a maioria das candidaturas não conseguiu ser competitiva devido à falta de apoio e a condições gerais pouco favoráveis dentro dos partidos políticos brasileiros, levantando preocupações de que lá há pouco ou nenhum compromisso real dessas instituições com pessoas LGBT+ e suas causas.

Os desafios enfrentados pelas pessoas LGBT+ nos partidos políticos parecem ser multifacetados. Por um lado, suas candidaturas recebem poucos recursos financeiros dos partidos, o que afeta diretamente a sua competitividade, visto que os custos de campanha no Brasil são em sua maioria cobertos por recursos públicos, canalizados para os partidos e administrados por seus dirigentes. Em segundo lugar, há pouco incentivo para que indivíduos LGBT+ se sintam acolhidos e motivados a crescer nos partidos políticos, considerando a aparente ausência de pessoas LGBT+ em cargos de liderança e a falta de células LGBT+ nas estruturas partidárias. 

Uma pesquisa recente apoiada pelo #VoteLGBT mostrou que aproximadamente 33,3% dos partidos no Brasil tinham uma seção / célula LGBT+ em 2020. Finalmente, há indicação de que membros da comunidade LGBT+ sofrem preconceito e violência política de outros membros do partido e dentro das estruturas partidárias, resultando em ambientes hostis que provavelmente impedem o engajamento de longo prazo de vários membros da comunidade.

SOBRE O #VoteLGBT 

Formado por profissionais de várias áreas como demografia, economia, jornalismo, antropologia, direito, artes visuais, entre outras, o #VoteLGBT é um coletivo que busca aumentar a representatividade das pessoas LGBT+ em todos os espaços da sociedade, principalmente na política. Entendendo a representatividade de forma interseccional às pautas de gênero e de raça, o coletivo compreende a diversidade como um valor fundamental para a democracia. 

Além de campanhas realizadas em épocas de eleições municipais, estaduais e nacionais – que visam dar visibilidade a candidaturas pró-LGBT e lutar pelo respeito à diversidade sexual e de gênero -, os membros do coletivo também promovem pesquisas presenciais e online para gerar dados sobre essa parte da população.

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...

28ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, que acontece dia 2 de jun...

Conheça o Clube do Livro “Pomar”, o clube de leitura da...