BLOG

Eis a melhor defesa do Gilberto do BBB, a poc mais empolgada do Brasil

Como não poderia deixar de ser, o assunto da semana está sendo a estreia da 21° edição do reality “Big Brother Brasil”. Com uma quantidade recorde de pessoas LGB: são três homens gays e duas mulheres bissexuais, todos e todas negras. Ainda que chama atenção o fato de em vinte e uma edições apenas uma participantes trans, Ariadna, na 11ª edição, ter participado, é bem interessante perceber o quanto o programa tem pautado e sendo pautado pelas lutas identitárias.

E não cabe aqui uma análise sobre a qualidade do programa, ou então apontar as (muitas) falhas identitárias e de representatividade, o que interessa  é: o programa, querendo ou não, movimenta debates sociais de forma recorrente e sistemática, e não tem porque a gente fugir disso.

Posto isso, já deu pra sentir que Gilberto já ganhou igualmente uma quantidade de fãs e haters, e olha que foram só três dias de exibição e nos chamou atenção a defesa da drag queen, youtuber, palestrante, performer e oradora Melissa L’Orange no Facebook.

Entramos em contato com a Melissa pedindo autorização para reprodução do seu texto aqui no blog da Casa 1 (ele pode ser lido também aqui direto no perfil de Melissa)

“O #BBB21 literalmente acaba de começar e muita gente já tá com raiva e de saco cheio do Gilberto. Daí eu me senti bem defensora pública pra vir aqui proteger o menino.

Que ele fala muito, pula muito, grita muito, tá muito empolgado? Sim. Isso é irritante pra quem tá assistindo? Pode ser. Mas olha só.

A guei nasceu numa família pobre nos cafundó do Judas e pensou: “Não, eu vou estudar pra vencer na vida!”.

Isso lá uns 15 anos atrás quando o Brasil era um projeto de pais, e não um rascunho de filme distópico com restrições orçamentárias.

Ainda tem o episódio de protagonizar sua própria versão de “The Book of Mórmon” por causa da nossa boa e velha homofobia institucionalizada.

Se livrou disso (mas não dá escravidão do doutorado, então mais um motivo pra tá feliz na casa), assumiu sua bicheza galopante e tá feliz da vida.

Alias….Eu sempre desconfio de quem não gosta de uma boa bisha que se libertou do preconceito e do nojo que sentia por si. Por que será?

Daí agora imagina essa homossexual intelectual que estuda ECONOMIA num governo Bolsonariano no ano de 2021 com onda anticientífica e Paulo Guedes ministro…

Essa poc conseguiu entrar no programa mais assistido e disputado do Brasil!

É claro que Gil tá feliz! ULULANTE! Uma libélula entorpecida! Ele venceu num jogo que nunca esteve a seu favor em um momento que tinha tudo pra tá se estrepando.

Vendo isso, eu vou ter bastante paciência com a Bilu, porque ela merece várias segundas chances pra mostrar a si e ganhar coisas, sabe?

Deixa ele ser FELIZ, só por enquanto.

Suas amargas do cacete.”

Agora, vamos esperar para ver o que a tal “casa mais vigiada do Brasil” vai nos mostrar do Gilberto e de todos e todas as outras participantes LGB!

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Projeto “Lentes Coloridas” pesquisa perfil de profissionais LGBTQIA...

Casa 1 e Coletivo AMEM realizam Feira de Empregabilidade LGBTQIAPN+...

HQ Ciranda da Solidão é republicada e ganha edição especial

Conheça 10 pré-candidaturas LGBTQIA+ a prefeituras nas eleições de ...

Direitos LGBTQIAPN+ sob ataque no Congresso Nacional 

Instituições fazem mapeamento de candidaturas LGBTQIAPN+ para as el...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

Especialistas discutem os principais desafios de empregabilidade LG...

Pesquisa apresenta as maiores dificuldades das instituições LGBTQIA...

CUT lança cartilha de formação sindical como foco em pessoas trans

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...