BLOG

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

Em sete anos a Casa 1 passou, como todo mundo, por grandes desafios: pandemia e endemias, governos de extrema direita, crises econômicas e ambientais e por aí vai. E como todo mundo nós resistimos, trabalhando incansavelmente e lutando contra um sistema social e econômico que faz tudo para que projetos como o nosso, que tem como objetivo o combate das desigualdades, não existam. 

E para viabilizar todo o extenso trabalho que você pode ver em detalhes em todas as nossas prestações de conta, contamos com uma dezena de estratégias de financiamento, que vão de doação de pessoas físicas a editais públicos e privados, passando por bazares, ações especiais, interlocução com o poder público, entre outros. 

Além dessas estratégias, sempre contamos com o próprio mercado, que por meio de ações de marketing auxiliaram na manutenção do projeto e que em 2021 chegou a ser responsável por 40% da nossa arrecadação. 

Porém, ano a ano essas ações de marketing, assim como a relação com as empresas foram se tornando cada vez menores, em especial em relação ao montante doado pelas marcas. 

Contamos ainda com apoios importantes e fundamentais de marcas e empresas comprometidas a longo prazo como a MAC Cosméticos que patrocina nosso curso profissionalizante de maquiagem há três anos e a Absolut, que desde 2018 realiza ações anualmente, foi ela inclusive que ajudou a viabilizar o II Casamento Coletivo que aconteceu no final do ano passado. Não por acaso, ambas as marcas têm uma relação histórica com a comunidade LGBTQIAPN+ que teve início lá nos anos 80.  

Citamos esses exemplos, não só em agradecimento, mas também para evidenciar que existe comprometimento real e existe moda.  Infelizmente, para a grande maioria das marcas e empresas, a diversidade é apenas moda. 

Em diálogo direto com outras organizações LGBTQIAPN+, assim como projetos com foco em negritude e direitos das mulheres, a realidade é a mesma: não existe mais interesses das marcas e empresas a auxiliar projetos que tratam desses temas. 

Em uma matéria do Meio e Mensagem, veículo especializado em publicidade e marketing, que avaliou a relação das marcas nos EUA com a comunidade LGBTQIAPN+ o diagnóstico foi o mesmo. 

“É extremamente decepcionante quando parceiros corporativos que por muitos anos verbalizaram o apoio à comunidade, parecem estar ao lado dela apenas nos momentos bons e não nos mais difíceis”, declarou Paul Irwin-Dudek, vice-diretor executivo da GLSEN, uma organização sem fins lucrativos focada na educação inclusiva e segura de jovens LGBTQIAP+. 

E nós compartilhamos a frustração de Paul, por isso pedimos que vocês façam muito barulho, que cobrem as marcas que consomem para que apoiem, não só a Casa 1, como outros milhares de projetos de diversidade importantíssimos que temos pelo país. 

E claro, se você tiver essa possibilidade, doe, porque, como sempre fizemos questão de dizer, todo valor é importante! 

Iran Giusti é formado em Relações Públicas pela FAAP, passou por agências como TVRP e Remix Social Ideias. Como jornalista atuou no Portal iG, BuzzFeed Brasil. Atualmente é repórter no Terra Nós e diretor institucional da Casa 1

Notícias Relacionadas

Casa 1 realiza Chamada Aberta de atividades para o segundo semestre

Projeto “Lentes Coloridas” pesquisa perfil de profissionais LGBTQIA...

Casa 1 e Coletivo AMEM realizam Feira de Empregabilidade LGBTQIAPN+...

Casa 1 passa a receber doações através do programa Nota Fiscal Paul...

HQ Ciranda da Solidão é republicada e ganha edição especial

Conheça 10 pré-candidaturas LGBTQIA+ a prefeituras nas eleições de ...

Direitos LGBTQIAPN+ sob ataque no Congresso Nacional 

A nova adição na seção de obras autografadas, livros disponíveispar...

Casa 1 prepara pintura icônica para Jogos Olímpicos de Paris celebr...

Instituições fazem mapeamento de candidaturas LGBTQIAPN+ para as el...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

O que rolou de graça na Casa 1 em maio