BLOG

AzMina lança site que reúne todas as informações sobre aborto no Brasil

Projeto inédito visa facilitar acesso aos dados, estudos científicos e conteúdos de qualidade em direitos reprodutivos

Por Joana Suarez, da revista AzMina

Quem já fez uma reportagem ou algum conteúdo mais aprofundado sobre aborto já deve ter percebido o quanto pode ser complexo encontrar os dados e as informações necessárias. Há muitos estudos, levantamentos, estatísticas e trabalhos de qualidade disponíveis, mas eles estão espalhados em diferentes plataformas, muitas vezes inacessíveis. Pensando nisso, AzMina desenvolveu o site AbortoNoBrasil.Info para reunir tudo sobre o tema num mesmo lugar e ajudar, sobretudo, as pessoas que não são familiarizadas com produções sobre direitos reprodutivos. 

Narrativas bem fundamentadas contribuem na formação da opinião pública. A sociedade precisa estar informada com conteúdos confiáveis para acessar direitos básicos e para que se possa elaborar novas políticas públicas sobre o tema. Em tempos de desinformação e falas rasas, e até irresponsáveis, o bom jornalismo, a apuração e a ciência éticas são as melhores armas de combate. O projeto AbortoNoBrasil.info chega para somar nesse trabalho, trazendo materiais atualizados de forma didática e transparentes sobre tratamentos, estatísticas e contextos relacionados ao aborto no país. 

No site, é possível encontrar dados oficiais sobre procedimentos – internações, despesas hospitalares e mortes – em situações de abortamento; registros de aborto legal, métodos abortivos seguros; perfil das pessoas que abortam, número de processos por aborto. Também estão disponíveis informações sobre as legislações e os níveis de acessos aos direitos reprodutivos no mundo, além de pesquisas, guias, projetos, artigos, fontes especializadas e organizações que tratam do tema. Quem quer escrever ou entender melhor sobre justiça reprodutiva, tem o AbortoNoBrasil.Info como uma ferramenta de suporte, baseada em evidências científicas que se contrapõem à superficialidade e ao desserviço visto frequentemente sobre aborto.

PÚBLICO E IMPACTOS ESPERADOS

AzMina espera que os direitos sexuais e reprodutivos sejam pautados com mais frequência e não só em efemérides, quando alguma autoridade brasileira é questionada sobre o tema ou quando meninas e mulheres são expostas em situações de aborto na mídia. 

Há uma lacuna na formação sobre como abordar o tema com uma linguagem sensível aos direitos humanos. Produzir conteúdos informativos de qualidade sobre aborto impacta diretamente a saúde da mulher brasileira e o acesso aos direitos previstos em lei. Também alimenta um debate público mais aprofundado, fomentando discursos políticos, acadêmicos e sociais sobre aborto no Brasil. Com isso, evita-se, por exemplo, os questionamentos simplistas sobre ser “contra ou a favor do aborto”, sem embasamento. 

O site é direcionado a comunicadoras/es, produtores de conteúdo, formadores de opinião, jornalistas e pesquisadores. E chega em um momento em que a discussão sobre aborto no Brasil está em cada vez mais em evidência, com a recente discussão sobre a ação (ADPF 442) que pede a descriminalização no Supremo Tribunal Federal (STF) e segue em tramitação. 

Políticos da extrema-direita, e religiosos ultraconservadores, e contra os direitos das mulheres e de pessoas com útero, constroem argumentos deturpados e falsos, deslocados da realidade, para se promoverem. Isso é observado sobretudo em períodos eleitorais, como mostrou a pesquisa do NetLab (UFRJ). 

MOVIMENTOS E PARCERIAS

A epidemiologista, doutora em saúde pública e pesquisadora Emanuelle Góes defende a importância do acesso facilitado aos dados promovido pela plataforma. “Eu sou sempre favorável ao acesso à informação, a sociedade precisa saber. E a gente precisa ajudar nisso, principalmente para o movimento feminista”, afirma.

O Brasil caminha para avançar nos direitos reprodutivos, na comunicação e na equidade de gênero. Países vizinhos fizeram movimentos estratégicos e importantes pela descriminalização e despenalização do aborto.

Para gestar essa plataforma, organizações brasileiras uniram experiências, conhecimentos e repertórios dentro do assunto, a partir da demanda percebida ao lidar com os direitos reprodutivos. Participaram da construção estratégica e de conteúdos: Anis – Instituto de Bioética, Campanha Nem Presa Nem Morta, Grupo Curumim, Rede Feminista de Saúde, CEPIA, Católicas Pelo Direito de Decidir, CFEMEA, Portal Catarinas.

Acesse aqui o site

Foto de capa: Rovena Rosa/Agência Brasil

Revista feminista independente, que respeita e valoriza a mulher em toda a sua diversidade. Nasceu em 2015 com um financiamento coletivo e também lançou as campanhas de conscientização e luta contra o machismo, como #MachismoNãoÉBrincadeira, Carnaval Sem Assédio e #VamosMudarOsNúmeros. O conteúdo d’AzMina é livre de direitos autorais e reproduzido aqui no site da Casa 1 com os devidos créditos.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

MST realiza o 1º Encontro Nacional de Travestis e Transexuais Sem T...

MPF pede revogação de norma do CFM que recomenda cirurgia precoce e...

Alcoolismo feminino: violência de gênero e alternativas no tratamen...

O que diz nova resolução do Governo de SP sobre pessoas LGBT+ no si...

Casos de HIV cresceram 17% no Brasil, aponta boletim do Ministério ...

16 filmes e séries com personagens sapatão para ver em casa

Cinema gratuito e ao ar livre apresenta “Cartas para Além dos...

Mulher trans teve cirurgia negada no SUS e leva Brasil à Corte Inte...

Casa1 participa do 1º Encontro de Referência LGBTQIAPN+ em Fortaleza

Lula veta parcialmente projeto de marco temporal do Congresso

Exigir cirurgia para trans irem a prisões femininas é política tran...