Lorem quis bibendum auci Lorem gravida nibh vel velit auctor aliquet. Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auci elit consequat ipsutis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate cursu. Ut enim ad minim veniam.

Follow me on instagram

© 2016 Your Business Name!

Curtas LGBT nacionais para assistir e enaltecer – Parte II: Lésbicas

Curtas LGBT nacionais para assistir e enaltecer – Parte II: Lésbicas

Por Fabio Leal, autor convidado da Casa 1 

No post passado (que pode ser lido aqui) falei aqui sobre como o cinema LGBT tem tido destaque nos últimos 10 anos dentro do panorama brasileiro, mas que ainda é excessivamente G. Pois bem, nas minhas andanças por festivais no ano passado, o sopro de ar fresco veio justamente de dois curtas realizado por mulheres lésbicas e protagonizado por mulheres lésbicas. Esse post vai ser sobre eles (e um extra).

Quebramar – Cris Lyra

Documentário

2019

São Paulo

26 minutos

O primeiro se chama Quebramar. É um documentário dirigido por Cris Lyra que, além de realizadora, é uma fotógrafa que conquista cada vez mais espaço: ela assina a fotografia de filmes como Lembro Mais dos Corvos, Quem Matou Eloá e Chão. Em Quebramar ela acompanha um grupo de mulheres lésbicas de São Paulo, quase todas muito jovens, que viaja para passar o réveillon no litoral. Em conversas pescadas aqui e ali, muita música e pequenos gestos, as histórias e medos dessas mulheres vai se desvelando e o afeto transborda. É um belo filme, premiado como Melhor Documentário no maior festival de curtas-metragens do mundo, o de Clermont Ferrand, na França. 

A Vitrine Filmes disponibilizou o filme gratuitamente por uma semana, ficando em cartaz online até o dia 23 de abril.

Peixe – Yasmin Guimarães

Ficção

2018

Minas Gerais

17 minutos

Se em Quebramar as questões são muito densas, Peixe, de Yasmin Guimarães, é um curta sapatão que está interessado nas questões do prazer e da leveza. É impossível acompanhar a trajetória de Marina, que cruza BH fazendo entregas de bicicleta, sem ir abrindo um sorriso cada vez maior até um arrepio de prazer e felicidade com um dos finais mais legais que eu já vi num filme. É um curta simples, feito para o TCC de Yasmin, que rodou diversos festivais pelo Brasil, incluindo a Mostra de Tiradentes e o Mix Brasil. Infelizmente, Peixe não está disponível gratuitamente, mas ele se encontra numa plataforma chamada Cardume, que cobra uma mensalidade de 5 reais para quem quiser ter acesso ao catálogo deles. Você pode assinar aqui: https://cardume.tv.br/

Quinze – Maurílio Martins

Ficção

2016

Minas Gerais

26 minutos

Vou finalizar com um filme de um realizador homem, hetero e cisgênero – que fez um filme lindo, delicado, criando personagens que você queria que fossem suas vizinhas. O realizador Maurílio Martins faz parte da produtora Filmes de Plástico, na minha opinião a melhor do Brasil (todos os seus curtas e longas são de bons a obras-primas). É um filme mais antigo, de 2014, protagonizado por Karine Teles (que no ano seguinte faria um sucesso estrondoso com a Dona Bárbara, de Que Horas Ela Volta?, e há dois anos escreveu e protagonizou o longa Benzinho). Não vou falar muito sobre ele, já que a própria sinopse do filme é muito sucinta: “Luiza fará 15 anos. Raquel tem alguns sonhos”. Só acrescento uma coisa: vale muito ver. 

*****

Fábio Leal é diretor, roteirista e ator. Dirigiu os curtas-metragens Reforma, de 2018, e O Porteiro do Dia, de 2016. É diretor, junto com Gustavo Vinagre, do longa-metragem VHS HIV, atualmente em pós-produção. Entre 2013 e 2016 foi Coordenador de Comunicação da distribuidora Vitrine Filmes. Desde 2013 faz parte da curadoria do festival Janela Internacional de Cinema do Recife, que terá – ou não – sua 13ª edição no final do ano.

Centro de Acolhida e Cultura Casa 1
No Comments

Leave a Reply