O artista brasileiro DESAMPA retorna com dois singles grandiosos escritos durante um período fértil e criativo, morando na cidade de Nova York. Essas duas delicadas faixas do pop eletrônico foram gravadas com o ex-aluno da RBMA, Evan “Astrolith” Sutton, no Red Bull Studios de Nova York em 2018, o início de um álbum cintilante e multifacetado que foi brutalmente interrompido quando DESAMPA foi deportado de volta para a América do Sul sem aviso prévio.
 
Em “POP1 FKA Still Here” e seu sucessor (em outubro de 2021), “POP2 FKA Effortless”, DESAMPA percorre emoções de tristeza a esperança, desespero a bravura, exibindo um domínio vocal e melódico que vem de anos como pianista clássico. A combinação de seus tons vocais cristalinos e letras de partir o coração sobre uma cama de batidas eletrônicas futuristas distorcidas cria uma tensão que é marca registrada do som de DESAMPA.
 
Desde que voltou ao Brasil, DESAMPA foi varrido pelas vibrações sombrias, cruas e caóticas da cidade e enfurecido pelo atual clima político e cultural de direita em sua terra natal. Um artista multimídia, ele se dedicou à sua prática de artes visuais e fez trilhas sonoras para moda e cinema, deixando de lado seus vocais em favor de instrumentais eletrônicos apocalípticos e escrevendo novelas de sentimento em linhas de sintetizador taciturnas e camada sobre camada de texturas.
 
O lançamento de POP1 FKA Still Here é, literalmente, um desapego para DESAMPA. “A deportação realmente me ferrou”, explica ele. “Tive que me reestabelecer de volta ao meu país, apenas para encontrá-lo logo destruído pelo Bolsonaro. Gravei essas duas faixas no meu auge vocal. E eu sinto que preciso liberá-los, a fim de seguir em frente. ”

 
“POP1 FKA Still Here” foi lançado com um remix da artista eletrônica experimental Chilena residente no Brasil Valesuchi e um vídeo dirigido por DESAMPA e editado por Danila Bustamante, que homenageia o Cam4 / Chaturbate.

Compartilhe:

Por Casa 1

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *