Pela primeira vez na história da Colômbia uma mulher negra chega ao Executivo. Também é a primeira vez que um candidato de esquerda ganha a eleição presidencial.

Com 40 anos, Francia Márquez é um respiro para quem deseja mudanças para o país.

Nascida em Suaréz, a advogada e ativista ambiental cresceu na comunidade de La Toma, com altos índices de violência e pobreza. Durante a adolescência, assim como os pais, ela trabalhou como garimpeira na mineração de ouro. Mais tarde, trabalhou como doméstica para pagar os estudos na Universidade Santiago de Calí e para sustentar sua família. Mãe solo aos 16 anos, ela tem dois filhos.

Aos 13 anos, Márquez já era uma ativista ambiental e em 2018 foi vencedora do Prêmio Goldman, o “Nobel da Paz do Meio Ambiente”. Ela também foi representante legal do Conselho Comunitário de La Toma, exigindo proteção dos territórios ancestrais negros da Colômbia. No ano seguinte, sofreu um atentado com granadas e rajadas de fuzil em represália.

Seu ativismo contra a mineração ilegal rendeu o Prêmio Nacional de Defesa dos Direitos Humanos na Colômbia. Segundo o último relatório da Global Witness, o país é o mais perigoso para ativistas ambientais na América Latina e no mundo – em 2021, 65 ativistas foram assassinados no país.

Durante a campanha, Márquez afirmou que vai continuar trabalhando pelas mulheres, indígenas, negros, camponeses e pela população LGBTQIA+.

Foto de capa: Reprodução

Por Casa 1

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *