BLOG

Acesso à saúde de pessoas LGBT+ com mais de 50 anos é o pior do Brasil

De acordo com um estudo realizado por pesquisadores do Hospital Albert Einstein, da Faculdade de Medicina da USP e Universidade de São Caetano do Sul, pessoas LGBT+ com mais de 50 anos têm o pior acesso ao sistema de saúde, público e privado, no Brasil. 

A pesquisa “Transformando o invisível em visível: disparidades no acesso à saúde em idosos LGBTs” mostrou que a pior pontuação de acesso à saúde é da população LGBT+ e negra: 41%. Pessoas LGBTs brancas ficaram com 29%. Entre as pessoas cishéteros brancas, apenas 17% das pessoas avaliaram como ruim seu acesso à saúde contra 28% da população cishétero negra. 

“Em uma sociedade capacitista que entende o envelhecimento como declínio, perda e incapacidade, pessoas LGBTQIAPN+ envelhecidas experimentam uma dupla invisibilidade: tanto pela marginalização e desvalorização das(os) idosas(os) quanto pela LGBTfobia, o que aumenta muito suas vulnerabilidades, inclusive em relação à saúde. Por muito tempo e ainda hoje pessoas LGBTQIAPN+ são expulsas de casa ou cortam vínculos com suas famílias biológicas e constroem laços até profundos com “famílias de escolha”, mas a solidão e o isolamento social ainda são frequentes nos estágios avançados das vidas dessas pessoas”, explica Adriel Santana, médico voluntário da Casa 1. 

Mais de 6 mil pessoas foram entrevistadas e 1.332 se identificaram como LGBT+. A produção de dados é importante para conhecer a realidade desse público, mas não deve ser a única ferramenta no combate a desigualdade.

“Entender quais são as necessidades de saúde de pessoas LGBTQIAPN+ ao longo da vida é fundamental para a elaboração de serviços de saúde efetivos, mas estamos muito longe disso. Existem estudos que mostraram taxas maiores de depressão, obesidade, sedentarismo, suicídio e uso de álcool e substâncias psicoativas, entre outros agravos de saúde, na população LGBTQIAPN+. O acesso à saúde também precário pode contribuir para um controle pior de doenças crônicas como diabetes ou hipertensão. O rastreio de câncer de colo de útero é por vezes negligenciado em mulheres lésbicas e homens trans. Mulheres trans não são ativamente rastreadas para câncer de mama ou de próstata. No entanto, as respostas para esse cenário precisam ir além das ciências da saúde e também envolver mudanças institucionais e sociais”, continua Adriel. 

No Brasil, os grupos minoritários, incluindo a comunidade LGBT+, expressam baixos índices de confiança na prestação de serviços de saúde, quadro motivado especialmente por experiências negativas no passado. 

“Que vontade você teria de ir numa consulta sabendo que o nome que estará na sua ficha não é o seu e que o gênero ainda vai constar como o gênero designado no nascimento? Que sua identidade de gênero ou será tratada como irrelevante (e silenciada ou não abordada) ou como único “problema de saúde” que você tem? Por exemplo: uma senhora cis hetero procura um pronto socorro porque está com diarreia, mas o receio de ser julgada, constrangida e diminuída a leva a não contar à(ao) médica(o) plantonista que vive com HIV; a(o) plantonista não pensa em causas de diarreia que podem acometer pessoas que vivem com HIV, não cogita efeito colateral das medicações, prescreve uma medicação inapropriada e assim por diante. Toda essa LGBTfobia institucional leva a atendimentos de péssima qualidade e com efeitos desastrosos na saúde das pessoas”.

Para o médico, grupos e profissionais voltados para a saúde de pessoas não-cis e não-héteros se constroem a partir de esforços individuais. “A medicina, como aparato de biopoder, é cis-heteronormativa. A gerontologia, que é o estudo do envelhecimento em aspectos biológicos, psicológicos, sociais e outros, persiste há tempos na superação do mito da velhice assexual, mas profissionais médicos ao atenderem uma pessoa idosa ainda pressupõem que ela(e)(u) é hetero, que não transa mais, que não tem risco de pegar IST, que não tem mais desejos e nem demandas de saúde sexual. Acredito que as presunções de assexualidade, de cisgeneridade e de heterossexualidade são as principais fontes de estigma no atendimento de saúde de pessoas LGBTQIAPN+ envelhecidas”.

“A formação de profissionais de saúde precisa urgentemente abranger especificidades da saúde de pessoas LGBTQIAPN+. Os gestores dos serviços de saúde precisam entender que a LGBTfobia institucional (desde as aparentemente inofensivas às mais violentas) adoece e mata pessoas. Por fim, é preciso superar a ideia de que pessoas idosas não tem (ou não podem ou não devem ter) vida sexual, para além de visões capacitistas e cis-heteronormativas”, completa Adriel. 

Foto de capa: reprodução

Taubateana e Jornalista.

Notícias Relacionadas

Projeto “Lentes Coloridas” pesquisa perfil de profissionais LGBTQIA...

Casa 1 e Coletivo AMEM realizam Feira de Empregabilidade LGBTQIAPN+...

HQ Ciranda da Solidão é republicada e ganha edição especial

Conheça 10 pré-candidaturas LGBTQIA+ a prefeituras nas eleições de ...

Direitos LGBTQIAPN+ sob ataque no Congresso Nacional 

Instituições fazem mapeamento de candidaturas LGBTQIAPN+ para as el...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

Especialistas discutem os principais desafios de empregabilidade LG...

Pesquisa apresenta as maiores dificuldades das instituições LGBTQIA...

CUT lança cartilha de formação sindical como foco em pessoas trans

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...