BLOG

TJ-SP determina que planos de saúde paguem mastectomias em homens transexuais

Nos últimos pedidos de mastectomia as Câmaras de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo têm decidido que operadoras de planos de saúde devem custear as cirurgias em homens transexuais. O procedimento faz parte da transição de gênero e consiste na redução das mamas e em dar um contorno masculino. Desde o início do ano, foram pelo menos quatro decisões favoráveis aos pacientes.

Em um dos casos, a 6ª Câmara de Direito Privado obrigou um plano de saúde a cobrir a mastectomia masculinizadora após a cirurgia ter sido negada com o argumento de ausência de cobertura contratual. Neste caso, o desembargador Marcus Vinícius Rios Gonçalves, disse que deve prevalecer o tratamento prescrito pelo médico.

Para embasar a decisão, o magistrado também citou a Súmula 102 do TJ-SP, que tem a seguinte redação: “Havendo expressa indicação médica, é abusiva a negativa de cobertura de custeio de tratamento sob o argumento da sua natureza experimental ou por não estar previsto no rol de procedimentos da ANS.”

“O procedimento pleiteado integra o rol de procedimentos da ANS, com previsão expressa no Anexo I do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, regulamentado pela Resolução Normativa 465/2021, da ANS, vigente a partir de 1º/4/2021. A recusa da ré é abusiva”, afirmou Gonçalves.

A Súmula 102 do TJ-SP também foi citada em decisão da 4ª Câmara de Direito Privado que ordenou o custeio de uma mastectomia masculinizadora. Segundo o relator, desembargador Alcides Leopoldo, a transexualidade é um “fenômeno social” e as pessoas transexuais precisam ser tratadas com respeito, independentemente de como se apresentam em sociedade.

Leia mais sobre a decisão na Revista Consultor Jurídico aqui.

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

Alcoolismo feminino: violência de gênero e alternativas no tratamen...

Casos de HIV cresceram 17% no Brasil, aponta boletim do Ministério ...

Cinema gratuito e ao ar livre apresenta “Cartas para Além dos...

Mulher trans teve cirurgia negada no SUS e leva Brasil à Corte Inte...

AzMina lança site que reúne todas as informações sobre aborto no Br...

O que você precisa saber sobre a ADPF 442, que pede a descriminaliz...

‘Pela vida das mulheres’: ato pela descriminalização do aborto reún...

Estudo aponta que negras são mais vulneráveis ao aborto no Brasil

A medicina está preparada para atender pessoas trans? A resposta é não

Valorização da vida, de janeiro a janeiro

Estudo realizado no Brasil, Quênia e Vietnã investiga saúde mental ...