BLOG

28ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, que acontece dia 2 de junho, alerta população para a importância do voto consciente

A Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo busca mobilizar a comunidade para assumir um papel ativo na escolha de seus representantes, a fim de superar as barreiras existentes no Legislativo.

Em 2024, a população brasileira vai às ruas para eleger representantes do Legislativo, ou seja, prefeitos e vereadores que vão representar os mais de 5.560 municípios que existem no país. Reconhecendo a importância do voto favorável aos direitos da população LGBT+, a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (APOLGBT-SP) estabelece, na 28ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, o tema Basta de Negligência e Retrocesso no Legislativo – Vote consciente por direitos da população LGBT+, buscando mobilizar a comunidade para assumir um papel ativo na escolha de seus representantes, a fim de superar as barreiras existentes no Legislativo. Neste ano, a Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo acontece dia 2 de junho, domingo, a partir das 10h, na Avenida Paulista.

A proposta do tema, segundo seus organizadores, é incentivar discussões sobre a necessidade de contar com representantes que compreendam e acolham as demandas da população LGBT+, comprometendo-se com leis inclusivas e comprometidas com a diversidade.

Por refletirem a sociedade, as casas legislativas enfrentam uma série de desafios na promoção dos direitos LGBT+, com grupos contrários a esses direitos e tentativas de estagnação de políticas públicas eficientes para essa população. Para a Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, essa é uma oportunidade de exercer, nas ruas, a manifestação para que o público lembre da relevância e poder do seu voto.

“Diante desse cenário, torna-se imperativo que o Congresso e as casas legislativas assumam uma postura mais inclusiva, progressista e enfática, garantindo a igualdade e a proteção dos direitos de todas as pessoas”, defende André Fischer, Diretor de Comunicação da APOLGBT-SP, reforçando também o quanto a conscientização e empatia social são fundamentais para que se estabeleça um debate qualificado e aprofundado para superar resistências e avançar na legislação específica que combata a LGBTfobia.

Foto de capa:  Rovena Rosa/Agência Brasil

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Instituições fazem mapeamento de candidaturas LGBTQIAPN+ para as el...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

Especialistas discutem os principais desafios de empregabilidade LG...

Pesquisa apresenta as maiores dificuldades das instituições LGBTQIA...

CUT lança cartilha de formação sindical como foco em pessoas trans

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...

Ministério destina R$ 8,5 milhões em ações para população LGBTQIA+

‘A bandeira é nossa’: Parada do Orgulho LGBT+ leva verde e amarelo ...

Com programação especial, Casa Natura Musical celebra o Mês do Orgu...

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio