Estudantes autistas das três universidades estaduais paulistas estão mobilizados para cobrar que as instituições passem a ter cotas para pessoas com deficiência. Eles também reivindicam que sejam adotadas medidas para garantir de fato a inclusão de quem ingressa nos cursos.

No último ano, alunos autistas da USP, Unesp e Unicamp se organizaram em coletivos para cobrar as instituições – juntos, os grupos já reúnem quase 200 estudantes com autismo.

As três universidades, que estão entre as mais prestigiadas do país, seguem na contramão das instituições de ensino federal, que possuem reserva de vagas para pessoas com deficiência.

“É lamentável que as universidades mais importantes do país não tenham essa preocupação. Não fazem nenhum esforço para garantir o acesso desse grupo aos cursos de graduação e o pior é que não dão condições para que quem entrou consiga estudar com qualidade”, diz Guilherme de Almeida, 39, aluno da pós-graduação da Unicamp.

Em 2016, o país aprovou lei determinando que as universidades e institutos federais reservassem vagas para pessoas com deficiência. A regra alterou a Lei de Cotas, que já contemplava a reserva para alunos de escola pública, pretos, pardos e indígenas.

Pela lei, a cota deve ser definida de acordo com a proporcionalidade de pessoas com deficiência do estado em que está a instituição.

As universidades estaduais não são obrigadas a seguir a regra nacional. No entanto, a não adesão é criticada por especialistas da área, que veem falta de preocupação com a inclusão desse grupo no ensino superior. USP, Unicamp e Unesp têm histórico de serem mais resistentes a aderir a políticas de inclusão. Elas foram uma das últimas do país a adotar cotas sociais e raciais.

“É triste, mas elas têm uma tradição de não acompanhar essas políticas reparatórias a segmentos da sociedade já tão excluídos. Ser uma universidade também passa por ter um compromisso social”, diz Luiz Conceição, coordenador de formação do Instituto Rodrigo Mendes.

O acesso de pessoas com deficiência ao ensino superior é muito baixo no Brasil. Segundo o IBGE, o país tem cerca de 17 milhões de pessoas com deficiência, o que representa 8,4% da população com mais de 2 anos. Dados do Censo do Ensino Superior de 2019 mostram que esse grupo representa apenas 0,6% dos matriculados em cursos de graduação.

A pouca presença de alunos com deficiência nas universidades e a falta de políticas de inclusão fazem com que sejam comuns as situações de discriminação dentro das instituições.

Filha de pais surdos, Andressa da Silva, 24, só foi diagnosticada com autismo aos 22 anos, quando já cursava licenciatura em música na Unesp. “Passei a vida toda com diagnósticos errados, achavam que eu tinha dificuldades por ter crescido com pais surdos”, conta.

“Quando recebi o diagnóstico de autismo fiquei aliviada porque achei que agora as pessoas saberiam como me auxiliar. Infelizmente, são poucos os que estão dispostos a isso na universidade.”

Ela diz que já solicitou a professores que dessem mais tempo para que fizesse uma prova ou pudesse fazer o teste em um ambiente mais silencioso, mas teve o pedido negado. “Alguns professores parecem ver essas adaptações como privilégios, não um direito.”

Pela Lei Brasileira de Inclusão, de 2015, todas as instituições de ensino públicas ou privadas são obrigadas a garantir adaptações necessárias, sejam físicas ou pedagógicas, para que alunos com deficiência possam aprender.

Giulia Martinovic, aluna de direito da USP, também já sofreu preconceito de professores ao pedir adaptações para ter mais qualidade no aprendizado. Um docente já negou o pedido para que ela apresentasse um trabalho escrito ao invés de apresentar um seminário para toda a sala.

“Ele deu a entender que não mudaria a tarefa porque eu precisava me esforçar para conseguir falar em público. Ele não entende o nível de esforço que um autista precisa fazer para socializar e como isso é dolorido e estressante para nós”, conta.

Por ter tido que conversar com cada um dos professores e explicar o porquê das adaptações necessárias, Martinovic decidiu criar o coletivo autista para exigir que a universidade estabeleça uma política de permanência e apoio para todos os estudantes.

“Essa discussão não deve acontecer de forma individual, só quando o aluno procura o professor. Precisamos de uma solução para todos, a universidade precisa pensar em nós.”

Em nota, a USP disse que a lei federal de cotas não se aplica a ela e não respondeu se estuda aderir à reserva de vagas para pessoas com deficiência. A universidade disse ter um programa para atender às demandas desse grupo e que deve ser votado pelo Conselho Universitário a criação da pró-reitoria de inclusão e pertencimento, que terá como missão fazer um diagnóstico das necessidades existentes.

Atualmente, a USP sequer sabe quantos alunos com deficiência estudam em seus cursos de graduação e pós-graduação.

A Unicamp também disse que não precisa seguir a lei federal e que não existe nenhuma regra estadual sobre o tema. Em nota, a instituição listou uma série de iniciativas e serviços criadas para dar apoio aos alunos com deficiência, mas não respondeu quantos deles estão matriculados em seus cursos.

“Desde sua criação, a Unicamp tem mantido um claro compromisso com a permanência estudantil, por ela promovida de forma abrangente e humanizada”, afirmou o texto.

Já a Unesp diz ter 488 alunos de graduação com algum tipo de deficiência ou diversidade funcional, o que representa 1,2% do total. Vera Lúcia Capellini, presidente da Comissão Permanente de Inclusão e Acessibilidade, diz que a universidade estuda a possibilidade de aderir às cotas e está em permanente discussão para melhorar as condições necessárias para um ensino de qualidade a esse grupo de estudantes.

Neste ano, a Unesp destinou R$ 4 milhões para ações de acessibilidade na universidade, que vão desde mudanças físicas até cursos de formação para professores, funcionários e alunos.

“Sabemos da nossa responsabilidade com esses estudantes e estamos nos esforçando. Sei que eles gostariam e merecem que as respostas e mudanças ocorressem mais rápido, mas estamos fazendo”, diz Capellini.

SÃO PAULO, SP

Foto de capa: Divulgação/ Todo Dia

Por Folha Press

A Folhapress é a agência de notícias do Grupo Folha e comercializa e distribui diariamente fotos, textos, colunas, ilustrações e infográficos a partir do conteúdo editorial do jornal Folha de S.Paulo, do jornal Agora e de parceiros em todos os Estados do país. O serviço da Folha Press foi contratado pela Casa 1 em março de 2021 para estimular o acesso à informação de qualidade, com responsabilidade ética e jornalística e é publicado junto de conteúdos produzidos pela equipe de comunicação e outra agências de notícia independentes, igualmente qualificadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *