BLOG

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de bell hooks, chega a São Paulo

A partir da história de amor entre duas mulheres negras, espetáculo reflete sobre esse sentimento de maneira plural

Após fazer temporadas no Rio de Janeiro, a peça Amor e outras Revoluções, de Tati Villela, desembarca em São Paulo. Livremente inspirada no texto ‘’Vivendo de amor’’, de bell hooks, o trabalho pode ser visto no Sesc Ipiranga entre os dias 26 de abril e 19 de maio, com sessões às sextas e sábados, às 20h, e, aos domingos e feriados, às 18h. Ainda acontecem apresentações no dia 1º de maio, quarta-feira, às 18h, e no dia 2 de maio, quinta-feira, às 20h. 

“Nossa peça toca amores distintos, não somente amores negros. Não estamos deixando de lado as questões raciais, estamos apenas mudando o ponto de vista para falarmos sobre amor”, conta Tati Villela, que, além de assinar o texto, atua ao lado de Mariana Nunes.

Na trama, Aynah e Luzia estão de casamento marcado, mas ainda têm dúvidas se estão preparadas para dar esse passo. Uma viagem em suas próprias histórias ocupa o centro da cena e as fazem iniciar suas verdadeiras revoluções a respeito do amor e da falta dele.

“As protagonistas enfrentam dilemas comuns a qualquer casal. Por isso, as pessoas saem muito tocadas do espetáculo”, afirma Mariana. A personagem dela, Luzia, por exemplo, está vivenciando uma fase difícil da carreira. Ela faz um doutorado em Ciências Sociais e Políticas Públicas, mas naquele momento não ganha nenhuma bolsa e, por isso, está sem renda.

“Ao mesmo tempo, ela sonha em se casar com a Aynah e ter um filho adotado, mesmo não se sentindo pronta financeiramente para isso”, acrescenta. Já a sua companheira está em outro momento da vida.

Aynah é uma jovem moradora da periferia que acabou de ganhar um cargo de liderança, mas sempre sente que não é bem-vinda naquele ambiente. “Nós falamos muito sobre o trabalho e sobre como o racismo estrutural nos prejudica. A partir desses dilemas, as duas refletem sobre as suas existências, seus traumas, sonhos e o que pensam sobre a construção de uma família”, comenta Tati.   

Por meio deste trabalho, a autora pretende também dar protagonismo aos afetos que existem no subúrbio. “Eu tive uma infância muito amorosa e isso se reflete em quem eu sou hoje. Quero que as pessoas vejam como o amor também se instala no cotidiano da periferia”, completa.  

Evolução constante 

Amor e outras Revoluções está em sua terceira temporada e tem se modificado ao longo do tempo. As atrizes optaram por não ter um diretor ou uma diretora e sim convidar colaboradores para contribuírem com o processo. 

A preparadora vocal Claudia Elizeu foi a responsável por dar um novo peso às cenas musicais. Já a entrada de Guilherme Gomes na preparação de movimento tornou o corpo das intérpretes mais presente, mais desenhado e mais vivo. 

Mesmo as projeções, que complementam a narrativa, passaram por mudanças. Hoje, com a parceria de Juh Almeida na direção de vídeos, elas ganharam um caráter mais cinematográfico. “A essência da nossa peça está lá, mas estamos sempre pensando em novos elementos e testando cenas”, afirma Tati.  

Sinopse

Aynah e Luzia estão de casamento marcado e ainda possuem dúvidas se se casam ou não. Uma viagem em suas próprias histórias ocupa o centro da cena e as fazem iniciar suas verdadeiras revoluções a respeito do amor e da falta dele.

SERVIÇO

Amor e outras Revoluções

De 26 de abril a 19 de maio de 2024, às sextas e sábados, às 20h, e aos domingos e feriados, às 18h
Sessões: quarta-feira, 1º de maio, às 18h, e quinta-feira, 2 de maio, às 20h

> Dia 10/05, sexta, às 20h haverá sessão com acessibilidade (LIBRAS)

>> Dias 18/05, sábado, às 20h e 19/05, domingo, às 18h as sessões participam da Virada Cultural e são gratuitas (distribuição de ingressos sábado 18/05, às 12h (online) e 16h (nas unidades do Sesc)).

Local: Sesc Ipiranga – R. Bom Pastor, 822 – Ipiranga

Ingressos: R$50 (inteira), R$25 (meia-entrada) e R$15 (credencial plena)

Classificação etária:  12 anos
Duração: 70 min
Instagram oficial https://www.instagram.com/amoreoutrasrevolucoes/

Foto de capa: Divulgação/ Charles Pereira

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Instituições fazem mapeamento de candidaturas LGBTQIAPN+ para as el...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

Especialistas discutem os principais desafios de empregabilidade LG...

Pesquisa apresenta as maiores dificuldades das instituições LGBTQIA...

CUT lança cartilha de formação sindical como foco em pessoas trans

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...

Ministério destina R$ 8,5 milhões em ações para população LGBTQIA+

‘A bandeira é nossa’: Parada do Orgulho LGBT+ leva verde e amarelo ...

Com programação especial, Casa Natura Musical celebra o Mês do Orgu...

Com texto e direção de Rodrigo França, espetáculo Angu combate este...

Especulação imobiliária e marchinhas de carnaval temperam a comédia...