BLOG

Beyoncé mudará letra de música de ‘Renaissance’ por reclamações de capacitismo

A cantora Beyoncé decidiu mudar a letra de uma das músicas do seu novo álbum, “Renaissance”, após reclamações de capacitismo e de ofender pessoas com deficiência por ativistas e instituições de caridade. O termo em questão é “spaz”, e está presete na música “Heated”, escrita em parceria com o rapper Drake. A informação foi confirmada por um representante da cantora ao portal Insider nesta segunda-feira (1º).

O termo é um termo pejorativo e curto para falar de pessoas com diplegia espástica, uma forma de paralisia cerebral afeta ambas as pernas. O termo, nas devidas proporções, seria algo similar a algo como “retardado” em português, ainda que na música ele apareça em um verso que se refere a “espasmos” em uma bunda que parece estar levando tapas ou rebolando -“Spazzin’ on that ass, spaz on that ass”.

“A palavra, não usada intencionalmente de forma prejudicial, será substituída”, disse o comunicado emitido pela produção da cantora.

O termo já foi centro de uma polêmica similar quando apareceu na música “Grrrls”, de Lizzo. Em junho do ano passado, a cantora também se arrependeu de ter usado a expressão. “Como uma mulher negra gorda na América, tive muitas palavras ofensivas usadas contra mim, então entendo o poder palavras podem ter (seja intencionalmente, ou no meu caso, não intencionalmente)”.

No Reino Unido, o termo em questão é amplamente considerado ofensivo. Em 2003, ficou em segundo lugar em uma pesquisa da BBC sobre os termos mais ofensivos no Reino Unido relacionados a qualquer pessoa com deficiência. Nos EUA, no entanto, ainda aparece em uso mais comum.

Ativista das causas de pessoas com deficiência, a australiana Hannah Diviney foi uma das críticas de Beyoncé no britânico The Guardian, dizendo que seu valor artístico não exime “seu uso da linguagem capacitista -linguagem que é usada e ignorada com muita frequência”, escreveu Diviney. “Linguagem você pode ter certeza que eu nunca vou ignorar, não importa de quem seja ou quais sejam as circunstâncias.”

A instituição de caridade britânica Sense notou ainda que era “decepcionante que outro artista estivesse usando um termo ofensivo em sua música tão logo depois de ser apontado como a palavra é dolorosa” e pediu “mais educação para melhorar a conscientização sobre incapacidade”. Depois, a instituição ressaltou que Beyoncé tem um histórico inclusivo e agradeceu a opção por regravar a canção.

SÃO PAULO, SP

Foto de capa: Divulgação

A Folhapress é a agência de notícias do Grupo Folha e comercializa e distribui diariamente fotos, textos, colunas, ilustrações e infográficos a partir do conteúdo editorial do jornal Folha de S.Paulo, do jornal Agora e de parceiros em todos os Estados do país. O serviço da Folha Press foi contratado pela Casa 1 em março de 2021 para estimular o acesso à informação de qualidade, com responsabilidade ética e jornalística e é publicado junto de conteúdos produzidos pela equipe de comunicação e outra agências de notícia independentes, igualmente qualificadas.

Notícias Relacionadas

L’homme Statue lança videoclipe para a dançante e emocional &...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Mahmundi faz show de sua nova turnê Amor Fati na Casa Natura Musical

Bloco do Johnny Hooker convida CLEO, Mateus Carrilho e Potyguara Ba...

Novo EP de Killauea mostra versatilidade da artista no universo da ...

Kaê Guajajara lança documentário da turnê ‘Kwarahy Tazyr’

Mart‘nália apresenta seus maiores sucessos no palco da Casa Natura ...

Gabeu e Joana Castanheira lançam single de “sofrência queer&#...

Iane Gonzaga exalta amor entre mulheres pretas em single “Como Você”

Jão revela data de lançamento do novo álbum, “Super”, e...

Rapper Iza Sabino canta amores lésbicos e o protagonismo das mulheres

Leci Brandão e bloco Siga Bem Caminhoneira celebram o Dia da Visibi...