BLOG

Cine Sapatão, Arquivo Lésbico Brasileiro e Museu Judaico realizam evento pela memória de Rosely Roth

Em 19 de agosto é comemorado o Dia do Orgulho Lésbico. Em homenagem a toda a história de resistência dessa comunidade, um ato no MUJ foi organizado para celebrar o legado de Rosely Roth, mulher judia e ícone do ativismo lésbico no Brasil.

Judia, Rosely Roth (1959-1990) foi uma militante lésbica feminista, com papel fundamental na origem da organização do movimento LGBTQIA+ no Brasil, quando o país passava pela transição democrática, após a ditadura militar.

No mesmo dia, 19 de agosto, em 1983, a ativista foi uma das principais articuladoras do levante do Ferro’s Bar, conhecido como “nosso pequeno Stonewall” – este é o motivo para que a data seja conhecida como Dia do Orgulho Lésbico.

Rosely integrava o coletivo GALF (Grupo de Ação Lésbica Feminista) e foi a primeira lésbica a falar abertamente sobre sexualidade e identidade na televisão, em 1985, no programa da apresentadora Hebe Camargo.

Nesta data, quando se comemoram 39 anos do levante, o Museu Judaico de São Paulo, localizado em frente ao antigo Ferro’s, se une ao Gaavah – coletivo LGBTQIA+ do Instituto Brasil-Israel, CineSapatão e Arquivo Lésbico Brasileiro para convidar a todos para uma homenagem a esta importante ativista: “Em memória de Rosely Roth: lesbianidade e resistência”.

O evento acontece a partir das 18h30na antiga sinagoga e na escadaria do MUJ. A programação conta a participação das ativistas lésbicas Neuza Aparecida do Nascimento, Mara Minassian e Bárbara Esmenia. Antes de começar o evento, acontece a exibição de um vídeo mostrando alguns documentos e passagens da vida da Rosely antes de entrar para a militância. Às 19h, ocorre a apresentação sobre a ativista Rosely Roth e a leitura das cartas escritas por Rosely para Ivy, que foi sua amiga de infância até a fase adulta. Por fim, o ato político na escadaria da entrada do museu, de frente para o Ferro’s Bar, encerrando às 20h30.

O evento é gratuito e pode ser retirado aqui.

Serviço

Em memória de Rosely Roth: lesbianidade e resistência

Quando: 19/8 às 18h30
Onde: Rua Martinho Prado, 128 – Bela Vista, São Paulo – SP
Quanto: gratuito

Foto de capa: Folha Press

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Instituições fazem mapeamento de candidaturas LGBTQIAPN+ para as el...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

Especialistas discutem os principais desafios de empregabilidade LG...

Pesquisa apresenta as maiores dificuldades das instituições LGBTQIA...

CUT lança cartilha de formação sindical como foco em pessoas trans

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...

Ministério destina R$ 8,5 milhões em ações para população LGBTQIA+

‘A bandeira é nossa’: Parada do Orgulho LGBT+ leva verde e amarelo ...

Com programação especial, Casa Natura Musical celebra o Mês do Orgu...

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio