Publicado pela Editora PEL e escrito por Elvis Stronger, o livro “Quem manda na noite” é uma obra de resgate da memória de pessoas LGBTI que existiram na “boca do lixo”, na periferia e submundo de São Paulo.

Com personagens conhecidas da noite paulistana como Andreia de Mayo, Brenda Lee, Cris Negão, Marcia Pantera, Laura Vermont, Anderson Henser, Mario Grego e outras, a obra traz histórias de “Famílias da Noite” ou “Famílias LGBTI” que ficaram conhecidas por conta da série Pose e do documentário “Paris is Burning”. No Brasil, estas uniões acontecem há décadas e possuem características próprias, que estão descritas no livro.

O lançamento acontecerá no Largo do Arouche (boca do Lixo), o principal cenário da história, às 19 horas em 16 de Junho no Espaço Esponja, com apoio da Câmara de Comércio e Turismo LGBT+ do Brasil e imagens de Paulo Neobeck.

Toda venda será revertida para se produzir mais livros de autores independentes.

Sobre a Família Stronger

Fundada em 2006, a Família Stronger é uma rede criada com o objetivo de promover proteção e afetividade a jovens periféricos LGBTI+. Com o passar dos anos, passou a atuar em diferentes frentes como educação, eventos, cultura, militância e ativismo em Direitos Humanos.

Serviço

Livro: “Quem Manda na Noite”;
Autor: Elvis Stronger;
Quando: 16 de junho, às 16h, na Feira Cultural da Diversidade da Parada LGBT+;
Adquira o seu aqui.

Foto de capa: Reprodução

Por Casa 1

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *