BLOG

Marcha das Mulheres Negras volta às ruas em SP e cobra mais representatividade na política

Manifestação que marca o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha reuniu movimento negro, feminista e LGBT+ na República, centro da capital paulista, na noite desta segunda (25)

Por Daniel Arroyo

Com a benção de Exu, a Marcha de Mulheres Negras de São Paulo voltou a ocupar as ruas do centro da capital paulista por voltas das 18h30 desta segunda-feira (25), após dois anos sem evento por conta da pandemia de Covid-19. Este ano, o ato que celebra o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e o Dia de Teresa de Benguela teve como lema “Por Nós, Por Todas Nós, Pelo Bem Viver” e se concentrou na Praça da República para cobrar pelos direitos das mulheres pretas e por mais representatividade nas eleições 2022.

No manifesto, a organização da Marcha chama atenção para a desigualdade racial, de gênero e econômica no país que afeta principalmente pessoas negras e denuncia o racismo estrutural e as políticas adotadas pelo governo de Jair Bolsonaro (PL). Entre as reivindicações estavam a garantia do direito ao aborto seguro e legal, dos direitos da população LGBTQIA+, o fim da violência de Estado e da intolerância política.

À Ponte, a ativista trans Neon Cunha disse que o retorno dos atos presenciais é momento de luta, celebração e mudança na perspectiva das mulheres pretas dentro de uma sociedade que ainda segrega. “É a soma que dá esse rolê da Marcha das Mulheres Negras, onde a gente vai instituir uma série de questões e que a única coisa que nos une ao fato de sermos todas pretas dos mais diversos tons, das mais diversas possibilidades, identidades de gênero, orientação sexual, profissões, mas com um único propósito: a manutenção da dignidade e a construção de humanidade”.

Neon Cunha, ativista pelos direitos das mulheres trans e travestis, durante o ato na Praça da República. | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

O coletivo Mulheres de Axé do Brasil, que representa sacerdotisas e frequentadoras das religiões de matriz africana, abriu a Marcha com rituais. “Fizemos aqui a abertura do ato com uma oferenda, com um despacho e uma oração para Exu que é o orixá das ruas, das trocas, da comunicação. E por isso que nós queremos que as lutas das mulheres negras, tanto as de terreiro quanto as que não são de terreiro, sejam abençoadas pelos orixás”, explicou a covereadora da Bancada Feminista do PSOL na capital paulista, Carolina Iara.

Trabalhadoras, estudantes, parlamentares e ativistas dos movimentos negro e feminista também acompanharam a performance Anunciação, realizada pelo Bando Macuas Cia Cênica, que é formado por mulheres e trabalha a dança e o teatro com a perspectiva africana. “A gente está se colocando na cena pela primeira vez agora, com essa performance, e pensando em dizer o que a gente quer, que construção de artistas pretas que a gente está propondo”, comentou Débora Marçal, diretora coreógrafa do Bando Macuas.

A caminhada até as escadarias do Theatro Municipal de São Paulo,local de fundação do Movimento Negro Unificado (MNU) em 1978, contou com faixas, cartazes e homenagens às mulheres negras e indígenas que estão na linha de frente da resistência.  As manifestações artísticas do Bloco afro Ilú Oba De Min, uma bateria formada somente por mulheres, também marcaram o protesto, que terminou de forma pacífica por volta das 22h.

Mulheres reúnem-se para lançar o manifesto “Nem fome, nem tiro, nem cadeia, nem Covid: parem de nos matar!”. | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Mulheres negras de terreiro realizaram a abertura do ato com um despacho. | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Manifestações artísticas do Bloco Ilú Oba De Min marcaram o ato. | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Débora Silva, fundadora do Movimento Mães de Maio, encontra Regina Lúcia Santos, coordenadora do MNU. | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Marcha foi encerrada nas escadarias do Theatro Municipal de São Paulo. | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Acesse o site da Ponte Jornalismo.

Foto de capa: Marcha das Mulheres Negras em caminhada no centro de São Paulo. | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A Ponte Jornalismo é uma organização sem fins lucrativos criada para defender os direitos humanos por meio do jornalismo, com o objetivo de ampliar as vozes marginalizadas pelas opressões de classe, raça e gênero e promover a aproximação entre diferentes atores das áreas de segurança pública e justiça, colaborando na sobrevivência da democracia brasileira. O conteúdo da Ponte Jornalismo é livre de direitos autorais e reproduzido aqui no site da Casa 1 com os devidos créditos

Notícias Relacionadas

Com texto e direção de Rodrigo França, espetáculo Angu combate este...

O que diz nova resolução do Governo de SP sobre pessoas LGBT+ no si...

Racismo afeta saúde desde o nascimento até a morte, diz especialista

A cara da dura: homens trans do RJ enfrentam o preconceito na hora ...

‘Pela vida das mulheres’: ato pela descriminalização do aborto reún...

Estudo aponta que negras são mais vulneráveis ao aborto no Brasil

Vítimas não confiam na polícia para denunciar violência de gênero, ...

Leci Brandão tem vida e obra celebrada em musical no Rio de Janeiro

Lei que aumenta pena para crime de injúria racial é sancionada

Onde estão as pessoas pretas no movimento LGBT+?

Protagonismo feminino e negro no elenco de “Elas Brilham R...

Podcast “Preto Positivo” debate como é viver com HIV/AI...