A jornalista Mariana Oliveira indica livros, sites e filmes para comemorar e aprender sobre a Visibilidade Lésbica. Confira!

POR MARIANA OLIVEIRA

No dia 29 de agosto, é comemorado no Brasil, o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica criado em 1996 no 1º Seminário Nacional de Lésbicas (Senale) que aconteceu no Rio de Janeiro.

À época, as ativistas lésbicas brasileiras dedicaram a escolha da data como símbolo de luta por visibilidade e combate à lesbofobia.

Marcando estes 26 anos da data, listamos alguns livros com autoras ou protagonistas lésbicas. Confira!

Eu sou uma lésbica – Cassandra Rios

O livro de contos eróticos retrata as aventuras românticas de uma mulher lésbica vivendo entre os anos 1960 e 70. Em alguns aspectos da narrativa é um livro biográfico, uma vez que Cassandra Rios também é uma mulher lésbica que viveu nessa época. 

A autora faleceu em 2002, vítima de câncer, com apenas 69 anos. Escrevia livros de ficção, mistério e erotismo sempre com viés da homossexualidade feminina antes mesmo do termo GLS (gays, lésbicas e simpatizantes) existir. Não à toa, foi considerada a “escritora mais proibida do Brasil” e teve 36 livros censurados durante o período da Ditadura Militar. Ainda hoje é difícil encontrar títulos da autora em livrarias e bibliotecas.

Duas obras de Cassandra Rios também foram adaptadas para as telonas: Ariella (1980) e Tessa, a Gata (1982).

A Cor Púrpura – Alice Walker

Considerado um dos títulos mais importantes da literatura, a obra da escritora e ativista Alice Walker foi vencedora do Pulitzer de ficção em 1983, sendo a primeira mulher negra a receber o prêmio.  

A obra conta a história de Celie, mulher negra, pobre e analfabeta que foi estuprada pelo padrasto. Vivendo nos Estados Unidos durante a década de 40 e com traumas da infância, foi forçada a se casar com um homem bruto e violento. A protagonista escreve cartas relatando seu crescimento, experiências e amizades com uma cantora que muda sua vida, para Deus e sua irmã missionária na África.    

A obra conta com uma adaptação cinematográfica realizada em 1985, com direção de Steven Spielberg e Oprah Winfrey, Danny Glover e Whoopi Goldberg no elenco. 

Carnaval Amarelo – Lívia Ferreira (Afrocaminhão)

O conto nacional traz o protagonismo de pessoas negras, fora dos padrões e lésbicas. Carnaval Amarelo é uma releitura de uma história familiar de nossa infância: a boneca Emília.

Margarida conta para sua filha a lenda de Emília, a boneca de pano que acorda a cada 50 anos no carnaval e poderá se tornar real caso encontre seu verdadeiro amor.

Lívia Ferreira, ou Afrocaminhão, escreve contos considerados clichês, ou seja, apenas com finais felizes, com protagonismo de mulheres negras e lésbicas.

O homem azul do deserto – Cidinha da Silva

A historiadora Cidinha da Silva presidiu o Instituto Geledés e foi gestora de cultura na Fundação Cultural Palmares. Ela discute em suas crônicas temas sobre lesbianidades e negritude com viés antirracista. Nesta obra é possível ver as nuances de sua escrita de forma simples e carregada de críticas.

Lundu – Tatiana Nascimento

O livro retrata a vivência lésbica questionando o modo heteronormativo das relações. Aliado a isso, discute realidades periféricas, elementos da cultura iorubá e negritude, visto inclusive no título, Lundu  é uma dança de origem africana.

Tatiana Nascimento é cofundadora da Padê Editoral, que publica apenas autoras negras e LBTs.

Lesboteca

Lesboteca é um site criado e com curadoria da bibliotecária Débora Mestre. O projeto tem objetivo de funcionar como um catálogo com obras de autoras lésbicas que incluem livros de ficção, contos, biografias, teses de doutorado, dissertações de mestrado e artigos de autoras nacionais e estrangeiras.

Cine Sapatão

Projetos de valorização e visibilidade lésbica não são exclusivos da literatura, também podem ser encontrado para divulgação de produções audiovisuais, como no caso do Cine Sapatão.

O coletivo de militância surgiu em 2017 como um cineclube focado no protagonismo lésbico. Hoje, o Cine Sapatão realiza filmes, cursos e eventos em parceria com outros coletivos lésbicos.

Mostra de Cinema LBT

O projeto é uma vertente da Mostra de Cinema da Mulher, realizada anualmente pelo  Coletivo Feminista Baciada das Mulheres do Juquery. A mostra foi criada pensando no recorte de mulheres LBT’s (lésbicas, bissexuais, travestis e transgêneras) que produzem no audiovisual e utilizam o cinema como resistência.

Foto de capa: Reprodução

Acesse o site Nós, Mulheres da Periferia.

Por Nós Mulheres da Periferia

Nós Mulheres da Periferia é um coletivo jornalístico independente, transparente e apartidário formado por jornalistas moradoras de diferentes regiões periféricas da cidade de São Paulo. Atuantes em diferentes plataformas de comunicação, sua principal diretriz é disseminar conteúdos autorais produzidos por mulheres e a partir da perspectiva de mulheres, tendo como fio condutor editorial a intersecção de gênero, raça, classe e território. O conteúdo do Nós Mulheres da Periferia é livre de direitos autorais e reproduzido aqui no site da Casa 1 com os devidos créditos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Oie, divide seu email com a gente?

Assim você pode receber nossas novidades a cada mês :)

Obrigada!

ERRO!

Casa 1 will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.