BLOG

Paulo Fraval lança álbum “O Poder que a Bixa Tem”


Repertório autoral passeia pelo punk, pagode, tecnobrega e cumbia colombiana, ressignificando expressões preconceituosas e exaltando o afeto entre pessoas LGBTQIA+

Da diversidade musical das periferias brasileiras às influências rítmicas dos mais de 50 países por onde passou, tendo como ponto de partida as afetividades LGBTQIA+, o cantor e compositor Paulo Fraval lança seu primeiro álbum “O poder que a bixa tem”. O repertório traz 10 canções autorais que passam pelas vivências e inquietudes do artista,  destacando a legitimação de identidades, acolhimento às pluralidades e reverenciando o universo feminino e afeminado, ao mesmo tempo que critica com humor e ressignifica expressões pejorativas de toda uma estrutura machista e preconceituosa que violenta corpos fora da heteronormatividade. O álbum já está disponível nas principais plataformas digitais e mais informações podem ser acompanhadas no Instagram @paulofraval.

Em uma mistura pop, dançante e com fortes bases eletrônicas, o álbum passa pelo pagode baiano, tecnobrega paraense e a cumbia colombiana, entre outros ritmos latino americanos. Majoritariamente produzido por profissionais mulheres, LGBTQIA+, e pessoas periféricas, o disco celebra a democratização do acesso à música e a valorização de um trabalho realizado por mentes e corpos estigmatizados pela sociedade patriarcal, questionando a frágil virilidade masculina.”Cada faixa narra vivências de personagens que abraçam o feminino, utilizando-o sempre em primeira pessoa, vestindo-se de liberdade para vivenciar suas identidades com fluidez, leveza e sem culpa”, ressalta Paulo. O disco conta com produção do DJ e produtor musical paraense Proefx. 

Em “O poder que a bixa tem”, faixa que dá título ao álbum, Paulo Fraval apresenta um repente eletrônico, desconstruindo clichês sobre a figura do homem nordestino e “cabra macho”, apropriando-se de termos preconceituosos e utilizando-os como mantras de empoderamento, força e acolhimento, além de ressignificar características da feminilidade que tornam homens gays alvo de violências físicas e emocionais. Já em “A mina dela”, o artista traz como base o pagode baiano para exaltar o amor entre mulheres e criticar a interferência de homens que se deparam com demonstrações de afeto lésbico. Outro destaque do álbum, a música “Illas de Oxalá”, lançada em junho deste ano (2022) é uma oração em forma de poesia escrita pelo artista baiano Almerson Passos. O clipe da música, produzido pela Voo Audiovisual, enaltece o trabalho e a resistência de Alana de Carvalho, mulher trans, líder comunitária e Yalorixá de um terreiro no bairro quilombola do Calabar (Salvador-BA). O clipe da música recebeu indicações e exibições em festivais de cinema alternativo mundiais.

Paulo Fraval iniciou sua carreira aos 15 anos como percussionista em Fortaleza (CE), mudou-se para Salvador em 2002,  onde estudou música e começou também a cantar. Foi vocalista das bandas “Solange, tô aberta!” (BA) e “Pistoleira” (CE). Entre 2010 e 2016, realizou cinco turnês internacionais e apresentações artísticas em 19 estados brasileiros, participando de importantes espaços e eventos underground como, Itaú Cultural (SP), Festival Panorama de Dança (RJ), Ocupación Plaza de Catalunya (Barcelona/ES), Copenhagen Queer Festival (Dinamarca), Saturation Club (Polônia), Oslo Queer Festival (Noruega) e Transgenialer CSD (Berlim/ALE).

“Esse álbum é a realização de um grande sonho. Sou um artista que cresceu na periferia e precisei driblar muitos preconceitos e dificuldades para não deixar esse sonho adormecer. Lançar um disco que contempla a beleza da diversidade, em um dos momentos mais tristes da história do Brasil, me fez constatar o quanto é importante não perder a esperança. Apesar das letras afiadas, este trabalho tem toda uma narrativa de acolhimento que propõe a desconstrução de rivalidades e hostilidades entre minorias, ambas fomentadas pelo machismo e pelas desigualdades sociais”, destaca o artista.

Foto de capa: Felipe Marques

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

L’homme Statue lança videoclipe para a dançante e emocional &...

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...

28ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, que acontece dia 2 de jun...