BLOG

Professoras trans inspiram alunos da rede pública de educação

  • Vinicius Andrade. Publicado em 3 de agosto de 2022

Às 9h25 do dia 8 de junho de 2022, mais de 200 alunos da Escola de Ensino Médio Padre Coriolano, em Pacajus, Região Metropolitana de Fortaleza, receberam a professora Jhosy Gadêlha, de 34 anos, aos aplausos e gritos pelos corredores estreitos da instituição. A homenagem foi uma resposta ao ataque transfóbico sofrido por ela. 

Dois dias antes de ser homenageada, Gadêlha havia ido a uma loja de roupas para comprar uma saia. No local, foi xingada e ofendida pela dona do estabelecimento, com frase como “sua voz é de homem”, “você fez a cirurgia de mudança de sexo?” e “meu filho, porque você fez isso?”. “Nesse momento foi a gota d’água, eu ser questionada pela minha voz, pela minha existência, pela minha luta e a pessoa entrar na minha intimidade”, relata a professora. A cena foi registrada pelas câmeras de segurança do local e publicada nas redes sociais. 

A recepção carinhosa dos alunos “foi uma injeção de muita força, de muita empatia e de muito amor”, segundo Gadêlha. Ela ainda recebeu um abraço coletivo de todos eles no pátio do colégio. “Eu precisava demais desse acolhimento e isso me fortaleceu muito para continuar essa luta”, relembra a professora, um mês depois, em entrevista à Diadorim

Segundo ela, apesar da emoção, aquela atitude dos jovens e crianças não foi uma surpresa. Há sete anos, Jhosy Gadêlha ensina espanhol na instituição, mesmo período em que começou sua transição de gênero. Os estudantes acompanharam de perto o início dessa jornada e foram importantes para o processo. Diariamente, afirma, eles lhe dirigem palavras de carinho e respeito. “Eu não me surpreendi com a iniciativa, porque é o que eu planto todos os dias.”

Para a professora, além de lecionar, a presença de seu corpo naquele espaço é fundamental para criar uma geração sem preconceitos. “Eu não entro apenas para dar a minha disciplina, eu entro para formar os meus alunos em cidadãos, para formar pessoas melhores. E eu consigo, esse gesto foi a prova disso”, afirma.

De acordo com os dados da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), o Ceará está entre os quatro estados mais violentos para pessoas trans e travestis. Segundo o dossiê 2021, 22 pessoas transexuais foram assassinadas no estado devido à identidade de gênero só em 2020, o recorde cearense da série histórica até o momento. 

‘Conquistei meu espaço’

A quase 1000 km de Jhosy Gadêlha, a professora de língua portuguesa Marcely Dias, 43 anos, também ajuda a mudar a estrutura de ensino local. Primeira mulher transexual de Aquidabã, no interior de Sergipe, a presença dela pelas ruas e em colégios da região, que tem apenas 21 mil habitantes, encoraja a nova geração e subverte o preconceito. 

O caminho foi longo para Marcely e ainda é desafiador. Assim que pisou pela primeira vez na instituição, ela teve seu conhecimento questionado e seu corpo julgado — seja pelos próprios colegas de trabalho ou pelos pais dos alunos. “Já passei muitos momentos ruins aqui [na escola] de transfobia, de rejeição e de negação. Não existia leis naquela época, para mim foi extremamente difícil, mas eu conquistei meu espaço aqui na cidade”, avalia a professora. 

Há 23 anos no trabalho, ela tenta ressignificar o ambiente escolar e, consequentemente, uma cadeia social. “Ela tem um papel muito importante nessa desconstrução e conscientização da sociedade no geral. Ela ocupar esse espaço dentro da escola é uma representatividade”, comenta Letícia Guimarães, 17 anos, aluna de Marcely no Colégio Estadual Francisco Figueiredo. “É uma forma de os alunos que também são LGBTI+ se sentirem representados.”

Além do símbolo de mudança, Dias se coloca como suporte para alunos que estão conhecendo e amadurecendo sua sexualidade e identidade de gênero. “Ajudar esses estudantes nesse ambiente é uma das minhas principais funções”, ressalta a professora. Infelizmente, o bullying com docentes transgêneros é uma realidade ainda presente dentro das salas de aulas do país. Segundo um estudo realizado em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/aids (Unaids), 77,5% de crianças e adolescentes transgêneros, entre 5 e 17 anos, foram vítimas de preconceito nas escolas. 

Mas para a Letícia Guimarães, a presença de professoras e professores LGTBI+ no ambiente de aprendizado é um instrumento de mudança e conscientização social. “A gente ter uma professora transexual que é a autoridade dentro da sala de aula, acaba inspirando outras pessoas e despertando a vontade de buscar conhecimento e se entender quem você realmente é”, afirma a adolescente.

Para Dias, que é mestre em Educação, isso é uma via de mão dupla, já que por meio da reciprocidade e da empatia ela acaba vivendo momentos especiais com seus alunos. Um deles foi em 2011, e a professora considera uma das situações mais marcantes do seu currículo profissional. 

Quando era criança, ela tinha o sonho de ter a boneca Emília, personagem do Sítio do Picapau Amarelo, mas nunca ganhou de presente da mãe pelo fato de ser considerada “menino”. A professora contou isso aos seus estudantes e, após o relato, eles se juntaram e a presentearam com o objeto. 

“Me tocou muito, porque são coisas pequenas que mexem com nosso psicológico e emocional e a gente percebe o quanto somos amados nas pequenas situações. Uma história simples do meu passado, e quem realizou esse sonho foram meus alunos”, conta Dias, com a voz embargada. 

Currículo escolar

Embora a presença dessas professoras trans em sala de aula signifique um avanço importante de ensino inclusivo, é necessário também que se construam outras ferramentas para reduzir as desigualdades no ambiente escolar. É o que defende a pesquisadora Dayanna Louise, doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e ex-chefe da unidade de educação para as relações de gênero e sexualidades da Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco. 

Segundo ela, a escola ainda privilegia a perspectiva de grupos majoritários e reproduz práticas preconceituosas, racistas e classistas. 

“A questão é quando a escola transforma essa diferença em desigualdade. É quando o que foge à norma é visto como diferente”, pondera Louise. É essa exclusão, por exemplo, um dos motivos para a evasão escolar de estudantes transexuais e travestis. De acordo com levantamento feito pela Rede Nacional de Pessoas Trans do Brasil em 2017, 82% das pessoas trans deixam o ensino médio entre 14 e 18 anos.

Entidades e grupos ligados ao movimento LGBTI+ avaliam ainda que houve retrocesso, em 2017, quando a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) foi revisada e suprimiu os termos “gênero” e “orientação sexual” do texto que tem como objetivo nortear os objetivos de aprendizagem para estudantes da Educação Básica no Brasil.

Nos últimos anos, no entanto, políticas afirmativas têm pressionado a mudança nos espaços escolares e possibilitado acessos a pessoas historicamente excluídas do convívio social — seja como professoras ou como estudantes. Em 2018, o Ministério da Educação (MEC) permitiu o uso de nome social nos registros escolares de educação básica — medida que já atendeu mais de 15 mil pessoas na rede pública de ensino. 

Para Dayana Louise, a transformação na rede de ensino vai acontecer, de fato, quando o gênero for uma temática “presente em todas as disciplinas que compõem o currículo escolar”. Em Pernambuco, exemplifica a pesquisadora, professores da rede pública são estimulados a revisar na disciplina de Biologia os conceitos em torno dos corpos e reprodução sexual, de maneira a evitar estigmas. 

É justamente pelos avanços da luta de pessoas trans e travestis que essas pautas conservadoras ganham força no Brasil, avalia Louise. Mas de acordo com ela, a “revolução” feita por esses corpos avança mais ainda. “A duras custas estamos conseguindo reconstruir esse país que ainda está devastado pelo ódio”, enfatiza. 

Notícias Relacionadas

Especialistas discutem os principais desafios de empregabilidade LG...

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...

Como surgem e se espalham os projetos de lei contra LGBTQIA+ no Brasil

Marcha Trans leva discurso político, música e cobrança ao STF às ru...

‘A bandeira é nossa’: Parada do Orgulho LGBT+ leva verde e amarelo ...

Por que nova portaria do Ministério da Saúde é boa para pessoas trans

Inscrições abertas para o Programa Jovem Monitor Cultural, o maior ...

MPF pede revogação de norma do CFM que recomenda cirurgia precoce e...

MEC tem medo do ensino sobre gênero e diversidade sexual nas escola...

Ações confiáveis de ajuda à população LGBTQIA+ no Rio Grande do Sul

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Casos de violência contra lésbicas aumentaram 50% em oito anos, mos...