BLOG

Acervo Lésbico Brasileiro reúne documentos sobre a ditadura

“Sábado, dia 15 de novembro, por volta das 23 horas, entrou novamente em ação o aparato repressivo comandado pelo delegado Richetti. Dessa vez o alvo das incursões noturnas de nossa polícia foram os bares Cachação, Ferro’s Bar e Bexiguinha. As mulheres que lá se encontravam, munidas de todos os documentos, inclusive de carteira profissional, foram levadas indiscriminadamente com o seguinte argumento: ‘você é sapatão’.”

O trecho acima é parte de um manifesto produzido em 1980 pelos grupos Terra Maria, LF e Eros. Ele integra o Acervo Lésbico Brasileiro (ALB), iniciativa de pesquisadoras de do país que querem reunir documentos históricos sobre lesbianidade no Brasil e disponibilizá-los ao público.

Entre eles, estarão trechos de documentos, como este, que mostram a repressão da ditadura militar direcionada a mulheres homossexuais e também a luta do movimento lésbico para incluir a criminalização da homofobia na Constituição de 1988.

“A maior parte das mulheres do grupo pesquisou questões relacionadas à lesbianidade, e a gente começou a se encontrar a partir de demandas das nossas pesquisas, percebendo o quanto a circulação desses materiais entre a gente facilitava o nosso trabalho”, diz Julia Kumpera, mestre em história pela Unicamp e diretora financeira do arquivo. Ela estuda as políticas sexuais da ditadura militar no Brasil e a história de ativismos lésbicos.

Parte do acervo foi doado pela ativista lésbica Marisa Fernandes. Nela, estão notas como a que abre esta reportagem, que trata de uma ação do delegado José Wilson Richetti contra redutos das lésbicas no final da ditadura, chamada, segundo a Comissão da Verdade do Estado de São Paulo, de “Operação Sapatão”.

“Temos notas que elas faziam chamando para atos, especificamente contra a violência policial. O Richetti promovia operações contra tudo que eles consideravam ‘vadiagem'”, diz Paula Silveira Barbosa, diretora-geral do ALB, que é mestre em jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

O delegado Richetti é citado pela Comissão da Verdade paulista como perseguidor da comunidade LGBTQIA+ da capital. “Essas ‘rondas’ comandadas por José Wilson Richetti, chefe da Seccional de Polícia da Zona Centro desde maio de 1980, tinham por objetivo ‘limpar’ a área central da presença de prostitutas, travestis e homossexuais”, diz o texto da comissão.

Foi uma dessas operações que, em 1983, resultou no que hoje é lembrado como o “pequeno Stonewall brasileiro”, em referência à revolta LGBT+ após a invasão policial de um bar nova-iorquino em 1969.

Na versão brasileira, ativistas do Galf (Grupo de Ação Lésbica-Feminista) foram proibidas de vender no Ferro’s Bar, que entre os anos 1960 e 1990 foi um reduto lésbico no centro de São Paulo, o jornal que produziam, o Chana com Chana –nome que dispensa explicações. Em resposta, ativistas ocuparam o bar.

No jornal Folha de S.Paulo, o protesto saiu assim, em uma reportagem que ocupava duas colunas de texto em 21 de agosto de 1983: “A noite em que as lésbicas invadiram seu próprio bar”. O texto é parte dos documentos que farão parte do acervo.

Há outras reportagens, como a da Folha da Tarde, sem data, em cujo título lê-se: “Censura ameaça Hebe Camargo”. Por quê? É que a apresentadora havia chamado para seu programa, exibido à época na TV Bandeirantes, Rosely Roth, integrante do Galf e pioneira do movimento lésbico brasileiro.

Para viabilizar a manutenção dos materiais, o ALB lançou uma campanha de financiamento coletivo com a meta de arrecadar cerca de R$ 10 mil até esta segunda-feira (2).

Um dos planos é digitalizar exemplares do Chana com Chana, o jornal independente produzido pelo Galf e que circulou entre 1981 e 1987. Uma das funções do panfleto era a de organizar o movimento lésbico e LGBT+ de forma mais ampla para pressionar os parlamentares que elaborariam a nova Constituição.

Em uma edição, as autoras entrevistam candidatas para a Assembleia Constituinte. “A formulação de uma nova Constituição é um marco histórico importantíssimo que pode (ou não) garantir e ampliar os espaços democráticos através das leis que irão reger o país”, diz o texto.

Em outro, cobram de parlamentares a inclusão da criminalização da homofobia já na Constituição. Os grupos tentavam conseguir apoios.

Até hoje, o Brasil não possui uma lei que formalize que o preconceito contra LGBT+ é um delito, apesar da decisão de 2019 do STF (Supremo Tribunal Federal) que determinou que, na prática, ele possa ser punido pela Lei do Racismo.

BRASÍLIA, DF

Foto de capa: Reprodução/ Ato Público no dia 13 de junho de 1980 na frente do Teatro Municipal

A Folhapress é a agência de notícias do Grupo Folha e comercializa e distribui diariamente fotos, textos, colunas, ilustrações e infográficos a partir do conteúdo editorial do jornal Folha de S.Paulo, do jornal Agora e de parceiros em todos os Estados do país. O serviço da Folha Press foi contratado pela Casa 1 em março de 2021 para estimular o acesso à informação de qualidade, com responsabilidade ética e jornalística e é publicado junto de conteúdos produzidos pela equipe de comunicação e outra agências de notícia independentes, igualmente qualificadas.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...

28ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, que acontece dia 2 de jun...

Conheça o Clube do Livro “Pomar”, o clube de leitura da...