BLOG

Espetáculo que aborda dramas enfrentados pela comunidade LGBTQIAPN+ terá apresentações gratuitas em lonas culturais no RJ

Uma história de amor, que fala de aceitação, acolhimento, visibilidade e distorção de valores. A peça “Cama de gato”, escrita por Max Mendes e dirigida por Marcio Vieira, aborda temas inquietantes e abre espaço para um debate mais amplo sobre transfobia. O espetáculo esteve em cartaz em 2017, no Rio de Janeiro, em duas temporadas, na Sala Municipal Baden Powell, em Copacabana e no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes. Agora, apoiado no Fomento de Cultura Carioca (FOCA 2022), fará uma breve circulação, com apresentações gratuitas, por bairros da cidade.

A exemplo da brincadeira feita com barbantes, “Cama de gato”, tece uma trama que envolve três amigos, garotos de programa, que moram num condomínio em Copacabana. Com a chegada de uma misteriosa trans, hostilidade e discriminação se tornam evidentes, mesmo sendo eles gays, revelando a vulnerabilidade de pessoas transexuais e travestis dentro da comunidade LGBTQIAPN+.

“O machismo é pesado. É ele que pesa na nossa sociedade patriarcal. Mostrar a um público diverso que a ‘cultura do macho’ também está presente na comunidade LGBTQIAPN+ escancara o quanto esse horror a tudo que se aproxima do feminino é nocivo. Quando um gay que conserva padrões heteronormativos demonstra repulsa a um gay afeminado, o machismo é a raiz dessa ambiguidade. Quando pessoas trans são discriminadas dentro da comunidade que deveria abraçá-las, o machismo está presente. E o machismo é um mal que deve ser discutido, refletido e calado por todes. Se toda população abrir os olhos para os padrões patriarcais que estão impregnados na nossa maneira de pensar, agir e viver, construiremos uma sociedade igualitária, na qual ‘o macho’ não será mais o centro de tudo. A diferença será respeitada, inclusive entre seus iguais”, pontua Max.

Para o diretor Márcio Vieira, trazer esse assunto à tona é fundamental.

“A principal proposta, acredito eu, dos produtores, do autor, minha e do elenco, seria desmistificar através da arte esse conceito tão negativo, às vezes, marginalizado de um tema ainda pouco falado e, até mesmo, entendido por muitos”.

Quem interpreta a personagem transexual Lois Lane é a atriz Ava Simões, Miss Trans Star Internacional 2019, Miss Brasil Gay 2009 e cirurgiã dentista, que já fez participações em programas de TV, como “Amor e sexo” e a novela “Toma lá, dá cá”, da Rede Globo de Televisão.  No Cinema, participou do curta-metragem “Meu preço”, de Fabrício Santiago, dirigido por Hsu Chien. Sua história já foi contada no documentário “Minha Vida – Ava Simões”, dirigido por Marcone Felix.

“Estou honrada em emprestar meu corpo para essa grande mulher.  Está sendo um desafio iniciar minha carreira no teatro falando de amor e das dores de uma mulher trans apaixonada. Em muitos momentos, dói ouvir o que a personagem escuta do seu amado e do mundo a sua volta. Eu escolho ser tão forte como Lois Lane é”, conta.

O espetáculo será apresentado em quatro arenas cariocas por bairros do subúrbio do Rio.

“O caminho comum das produções teatrais no Rio de Janeiro é começar pela Zona Sul/Centro da cidade e depois fazer um pouco de “democratização de acesso” nas demais regiões. Nós também começamos assim. Em 2017, foi esse o nosso percurso. Mas entendemos que a sociedade é a cultura. Portanto, estão juntos em todos os lugares. Por isso a decisão de circular com o espetáculo CAMA DE GATO por todo o Rio de janeiro”, ressalta Max.

Democratizar e popularizar cada vez mais a cultura e a arte

“Além do prazer de estarmos podendo fazer esse projeto, estamos na torcida para que as Lonas entrem nessa com a gente e divulguem para que a comunidade ao seu redor e adjacências estejam presentes nas apresentações”, conclui Márcio.

Serviço

Apresentações:

14/4, às 19:00 – Arena Carioca Jovelina Pérola Negra –  Praça Ênio, s/n – Pavuna

19/4, às 19:30 – Areninha Carioca Gilberto Gil –   Av. Marechal Fontenele, 5000 – Realengo

21/4, às 17:30 e às 19:30- Arena Carioca Fernando Torres –  R. Bernardino de Andrade, 200 -Parque Madureira

09/5, às 20:00 – Areninha Carioca Renato Russo –  Parque Poeta Manuel Bandeira, SN – Aterro do Cocotá – Ilha do Governador

Foto de capa: Divulgação

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...

28ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, que acontece dia 2 de jun...

Conheça o Clube do Livro “Pomar”, o clube de leitura da...