Lorem quis bibendum auci Lorem gravida nibh vel velit auctor aliquet. Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auci elit consequat ipsutis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate cursu. Ut enim ad minim veniam.

Follow me on instagram

© 2016 Your Business Name!

Projeções marcam protesto da Marcha das Mulheres Negras de SP

Projeções marcam protesto da Marcha das Mulheres Negras de SP

Conteúdo por “Nós Mulheres da Periferia”. Imagem de capa: Domênica

Pelo quinto ano seguido, mulheres negras do estado de São Paulo organizaram uma manifestação durante o 25 de julho, dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha.

Durante todo o mês de julho, debates online tomaram as redes sociais para a comemoração do ‘Julho das Pretas’, como ficou conhecida a sequência de programações realizadas neste período.

No último sábado (25), isso se estendeu para ações descentralizadas pela capital paulista desde o início da manhã, com faixas e cartazes levantados por grupos menores.

O grande diferencial veio durante a noite, quando projeções deram vida à prédios, igrejas e outros espaços simbólicos. As mensagens foram elaboradas com palavras de ordem e imagens históricas relacionadas ao combate ao racismo, ao machismo e a lesbotransfobia.

“Apresentamos nossas reivindicações para toda a sociedade alertando contra o projeto genocida em todas as esferas de governo”, diz a nota disparada à imprensa neste domingo, dia 26 de julho.

“Erguemos nossas vozes contra o encarceramento em massa, o capacitismo, a lesbofobia, a transfobia, a  intolerância religiosa,  a xenofobia, o etarismo e em defesa de todas as Mulheres Negras, onde quer que elas estejam”, ressalta trecho do manifesto lançado pelo coletivo.

No centro da cidade, em frente ao teatro municipal e na Praça Ramos, e na zona leste, na Igreja do Rosário dos Homens Pretos, na Penha, as projeções foram realizadas em parceria com o Coletivo Coletores.

A Marcha das Mulheres Negras de SãoPaulo realizou, ainda, projeções na Pompéia, na zona oeste; ocupação Cultural Mateus Santos, em Ermelino Matarazzo, zona leste; e na Praça Júlio César Campos, na zona sul, com apoio do do Fórum de Cultura de Parelheiros.

A reivindicação do Bem Viver, conceito que tem sido trabalhado nos últimos anos pela Marcha, continuou com força no protesto deste ano. O mote central foi: “Nem cárcere, nem tiro, nem Covid: corpos negros vivos! Mulheres negras e indígenas! Por nós, por todas nós, pelo bem viver!”.

“A Marcha resiste porque a luta não pára. No Brasil, a pandemia escancarou as desigualdades econômicas, sociais e raciais. A crise sanitária mostrou que o racismo estrutural impõe à população negra a maior vulnerabilidade diante da COVID-19”, afirmam ainda.

Segundo as organizadoras, esta é a parcela da população que segue sem acesso aos direitos básicos de saúde, saneamento, educação e moradia, particularmente, mulheres negras, pobres e trabalhadoras informais.

Centro de Acolhida e Cultura Casa 1
No Comments

Leave a Reply