RebolAtiva anuncia  as inscrições para as últimas oficinas do Ciclo #TodoCuidadoConta: uma jornada de quatro encontros online de práticas corporais e autocuidado emocional que oferece 45 bolsas integrais e sociais para mulheres e pessoas não-binárias neste mês de maio. O projeto foi financiado através de uma campanha de matchfunding.

A iniciativa acredita que a autoexpressão de corpos em movimento transforma pessoas, e que pessoas em relação transformam sociedades. Desde a criação, já foram realizadas mais de 55 oficinas de movimento para mulheres.

Assim como nas turmas de abril, os encontros de maio serão focados na reconexão com os corpos e o bem-estar físico, emocional e mental na realidade pós-pandemia.

 Os quatro encontros serão online, semanais e terão 2h de duração. Cada um deles será inspirado em um elemento da Natureza: Água, Fogo, Terra e Ar.

As bolsas são dedicadas a:

  • – Mulheres pretas.
  • – Mulheres indígenas.
  • – Mulheres trans ou travestis.
  • – Pessoas não-binárias.
  • – Mães solos desempregadas.
  • – Mulheres do campo.
  • – Trabalhadoras do sexo.
  • – Mulheres desempregadas e/ou em situação de vulnerabilidade.
  • – Mulheres com renda familiar inferior a 4 salários mínimos.

A RebolAtiva é uma iniciativa sensível e inovadora, criada em setembro de 2020, para fomentar a autopercepção e o autocuidado através da expressão corporal.

Inscrições: forms.gle/NDpwRtivcymhUnzC7

Por Casa 1

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *