BLOG

5 dicas de ficcção científica com diversidade

Por Izadora Xavier, voluntária da Biblioteca Comunitária Caio F. Abreu

Se você leu o texto sobre o livro “Órbita de Inverno“, distribuído no Brasil pela Editora Suma, e quer continuar mergulhando em obras do gênero ficcional e fantástico, separamos alguns títulos, autores e autoras que, assim como a obra de Everina Maxwell, criaram uma ficção científica que foge de um espaço onde o patriarcado, a branquitude e a LGBTfobia ainda ditam as regras sociais.

A mão esquerda da escuridão, de Ursula K. Le Guin.

Ursula K. Le Guin é o nome mais importante da ficção científica feminina e feminista. Na “mão esquerda”, o herói do livro chega em missão, em nome de uma federação de mundos, no planeta Orgoreyn. Seu objetivo é convencer es mandatáries de Orgoreyn a se juntar a essa federação. Nesse planeta não há dimorfismo sexual, ou seja, não há nem homens nem mulheres, o que vai consideravelmente dificultar o trabalho do emissário. Ursula K. Le Guin também é conhecida por ter escrito “a teoria da cesta da ficção”, que foi recentemente traduzido para o português. Ela não só é uma autora de ficção científica que faz descrições riquíssimas de planetas e povos alienígenas, mas também sempre defendeu que a imaginação fantásticas deveria servir mais do que só para imaginar as mesmas dinâmicas de poder machistas da Terra, mas com carros voadores. 

As Guerrilheiras, de Monique Wittig

A mais célebre autora lésbica francesa escreveu uma utopia dElas — “Elas” é o personagem principal dessa história fantástica e poética, onde um grupo constrói uma heterotopia feminista num não-lugar, depois de ter ganhado a guerra contra “Eles”. 

James Tiptree, Jr., ou Alice Sheldon, é uma escritora de ficção norte-americana. Ela é conhecida pelo conto “Women Men Don’t see”, mas tem dois outros textos traduzidos para o português: Os Falsáurios, na coletânea “Dinossauros!” compilada por Jack Dann & Gardner Dozois, Ed. Aleph, col. Zenith, vol. 6, 1993 e O Brilho Escorre do Ar (Brightness Falls from the Air) col. Limites, Portugal

Samuel R. Delaney é o autor de Babel-17, pelo qual foi o primeiro autor negro a receber o prestigioso prêmio Hugo. Ele é conhecido pelo seu trabalho tematizado a liberação gay e negra. Babel-17 não tem tradução pro português. 

Dreamsnake, escrito por Vonda N. McIntyre é outro livro de ficção científica ainda sem tradução para o português. Ele é, no entanto, considerado um dos mais exemplares livros de ficção científica feminista, no qual vários lugares comuns masculinistas do gênero (literário da ficção científica) são subvertidos. 

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

POC CON chega na 4ª edição com mais de 170 artistas, Cosplay Lip Sy...

Conheça Quinze Dias e outros 3livros representativos para ler e dep...

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

Primeira parlamentar travesti no estado do Rio de Janeiro lança liv...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda