Lorem quis bibendum auci Lorem gravida nibh vel velit auctor aliquet. Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auci elit consequat ipsutis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate cursu. Ut enim ad minim veniam.

Follow me on instagram

© 2016 Your Business Name!

[Artigo] Como projetar uma casa de acolhida LGBT?

[Artigo] Como projetar uma casa de acolhida LGBT?

Por Artur de Souza Duarte, arquiteto e urbanista formado pelo Instituto Federal Fluminense e mestrando pela FAU-USP. É voluntário na Sala de Atendimento Paliativo Cláudia Wonder e presta consultoria nas demandas de arquitetura da Casa 1.

“Um ambiente de arquitetura aberta, o chamado open space, em que se valoriza a coletividade e o formação de comunidade em um sobrado histórico do bairro da Bela Vista que passou por um retrofit para receber jovens LGBT+ muito calmos, maduros e com alto senso de responsabilidade”. Isso é o que a gestão da Casa 1 gostaria de dizer sobre o projeto arquitetônico da acolhida.

Desde a inauguração da Casa 1, muitos gestores públicos, arquitetos e sobretudo estudantes de arquitetura entram em contato interessados no programa e na estrutura física da ONG. Em geral, os estudantes querem projetar uma casa de acolhida em seu trabalho final de graduação. Perguntas como “Quem fez o projeto?” e “Como é a planta baixa?” às vezes aparecem nos “guichês” (as lives que a Casa 1 faz diariamente no Instagram), nos e-mails ou no curso de formação de voluntários. A primeira coisa que podemos dizer é que a Casa 1 não é a descrição feita no início deste texto.

Também devemos informar que essas perguntas pouco ajudarão a entender o programa de necessidades de um projeto como a Casa 1. Isso porque, como muitas estruturas mantidas pela sociedade civil, a Casa funciona em um local que não foi construído para esse fim. Tampouco a estrutura física de moradia foi planejada para ser considerada um exemplo.

O sobrado na esquina das ruas Condessa de São Joaquim e Bororós é de fato uma construção interessante e muito bem aproveitada pela ONG: no pavimento superior fica o núcleo de moradia com dez camas beliches, armários, lockers, sapateiras e muitos pertences dos moradores. No térreo, há três espaços comerciais transformados em uma estrutura cultural e assistencial que já sediou o Centro Cultural Casa 1, um espaço de convivência e um coletivo de costura. Atualmente acomoda a Sala de Atendimento Paliativo Claudia Wonder, a Sala Vitor Angelo/ Agência Casa 1 e a Biblioteca Comunitária Caio Fernando Abreu. Os layouts e mobiliário foram alterados de acordo com a demanda, a necessidade e doações recebidas.

Fig. 1 – Como é o espaço da Casa 1? Os croquis acima mostram o sobrado onde funciona o núcleo de moradia: um quarto único onde optou-se como layout dispor de todas as camas sem divisões para que todos possam se ver e conviver. (Fonte: Artur S. Duarte, 2020).

O projeto da Casa 1 é essencialmente uma “infraestrutura de cuidado”, cuja função central é oferecer condições para que pessoas LGBT+ alcancem autonomia financeira. Esse termo recente nos estudos urbanos inicialmente fazia referência a equipamentos e espaços próprios para a atividade de cuidado mais “clássica”, como postos de saúde, creches, asilos. Com o tempo, foi se espalhando de forma a englobar novas estruturas necessárias para o cuidado de pessoas no cotidiano das cidades: uma horta comunitária pode ser uma infraestrutura de cuidado, assim como um abrigo para refugiadas, um Centro de Referência da Diversidade, uma biblioteca comunitária1.

Por ser uma estrutura adaptada e um pouco antiga, desde o final de 2019, os espaços da Casa 1 estão em reformas visando melhoria da segurança e obtenção de alvarás pela Vigilância Sanitária e pelo Corpo de Bombeiros. Um gasto grande, mas que precisa ser feito para proporcionar as condições necessárias aos moradores e frequentadores.

Ampliou-se também a estrutura física da ONG em função da identificação de demandas importantes. Em 2018 escrevi um artigo2 sobre a Casa 1 em que chamava atenção para a dificuldade de a ONG sobreviver a longo prazo sem aportes financeiros mais constantes ou sem adentrar em editais públicos. E quase acertei: em março de 2019 a Casa anunciou que fecharia no final do ano. A comoção e engajamento do público pra impedir que o projeto fechasse as portas gerou a maior reviravolta que a Casa já havia passado: felizmente, minha previsão estava errada. A mobilização gerada aumentou a arrecadação fixa pelo financiamento coletivo e mostrou que a sociedade considera a atuação da Casa 1 relevante. O engajamento permitiu não só a continuidade do projeto como sua expansão – foi inaugurada sua terceira estrutura, a Clínica Social.

O apoio do público é um atestado da relevância da ONG. O sobrado Casa 1, o Galpão e a Clínica Social funcionam como uma estrutura que atua em conjunto para atender às necessidades de moradores e ex-moradores, enquanto dialoga com demandas da vizinhança, de movimentos sociais e de população em vulnerabilidade. Pensar em um projeto parecido é pensar também o tipo de público atendido e em como realizar os serviços necessários ou, ao menos, compor uma articulação em rede com outros equipamentos capazes de oferecer os serviços não supridos pelo projeto de acolhida.

Voltando à nossa questão inicial: o que é importante se considerar em um projeto como a Casa 1?

Em primeiro lugar, é preciso entender a especificidade do público LGBT+ que se atenderá. A Casa 1 é apenas uma das formas possíveis de se prover moradia. Seu público na acolhida também é específico: jovens LGBT+ de 18 a 25 anos que foram expulsos de casa ou precisaram sair por conflitos familiares, violência psicológica e/ou física. Esse recorte é justificado por estudos que apontam que a falta de apoio durante o processo de “homofobia familiar” e saída do domicílio parental pode aprofundar as vulnerabilidades e levar o jovem a uma situação de rua crônica na vida adulta3. Nesse momento de rompimento de vínculos, uma infraestrutura de apoio como a Casa 1 pode ser decisiva.

Se os jovens têm características específicas, pessoas LGBT+ de outras faixas etárias terão outras necessidades. Em 2017, o jornalista Neto Lucon entrou em contato com diversos asilos e

albergues em São Paulo e recebeu respostas como: “no asilo não tem nenhum gay querido, é só velho mesmo” e “se tem algum gay aqui, ninguém nunca falou nada”. A invisibilidade do LGBT+ na terceira idade e a “volta para o armário” já tem sido exposta por alguns estudos e projetos5 . Asilos específicos pra LGBT+ já representam um mercado importante em locais como Espanha e Suécia. Nos Estados Unidos, o Los Angeles LGBT Center (2019) possui até um complexo de Habitação de Interesse Social para idosos LGBTQ de baixa renda que conta com 104 unidades.

A vida tampouco é fácil entre a juventude e a terceira idade. Sem políticas de habitação que observem as especificidades e a constituição familiar de LGBT+, muitos acabam vivendo em moradias insalubres, em albergues ou nas ruas. Um projeto de moradia para LGBT+ adultos prevê também formas de engajamento desse público para atendimento continuado, melhora da autoestima e atenção ao processo de perda de seus vínculos durante a vida adulta. Mesmo não atendendo a esse público no setor de acolhida, a Casa 1 se tornou uma referência de atendimento e é procurada por adultos LGBT+ que não são elegíveis para moradia e estruturou um serviço de atendimento paliativo para encaminhar ou apoiar demandas como vestimenta, itens de higiene pessoal e alimentos. O serviço está sediado na Sala Cláudia Wonder e atende a um público diverso – LGBT+ ou não.

Independente do público, deve se levar em conta que uma infraestrutura de cuidado não é apenas um local para dormir. Estudos que analisam projetos de acolhida pra jovens LGBT+ pelo mundo também apontam que, para suprir as vulnerabilidades desse público, é necessário atuar também em autonomia (e consequentemente em reingresso escolar e capacitação, visto o contexto de evasão escolar de muitos jovens LGBT+), em saúde e saúde mental, e em disseminação de cultura. Esse enfoque garante que a atuação se expanda para além dos muros da acolhida.

Em segundo lugar, é preciso estruturar o projeto de forma multidisciplinar e interseccional6, com atenção especial à implantação. O público alvo, dependendo de suas características, pode ser melhor instalado em certos bairros com maior oferta de trabalho e infraestrutura urbana, ou então em bairros com maior oferta de lazer, escolas e equipamentos de saúde.

Por fim, é essencial um espaço que considere o contexto da vizinhança e que esteja aberto ao público em geral. Muitos equipamentos que lidam com população vulnerável como centros de acolhida e ocupações sofrem com a desconfiança e a hostilidade da vizinhança onde são implantados. Não adianta fazer um belo projeto de inserção de um equipamento em um bairro sem considerar sua relação com o entorno e a possibilidade de o projeto se voltar também para a vizinhança. A experiência da Casa 1 demonstra um reconhecimento do valor do projeto pelos vizinhos, que acabam fazendo doações, frequentando o espaço, utilizando os serviços, e consequentemente entrando em contato com as pautas LGBT+ inerentes ao local.

Ok, temos que considerar o contexto e o público, mas e o espaço?

O básico de qualquer espaço que recebe público também se deve considerar: ergonomia, rotas de fuga e sistemas de proteção contra incêndio e pânico. Lembrar que pessoas com diferentes vivências habitarão aquele espaço, e que elas terão maior e menor grau de cuidado com ele.

A alta rotatividade deve fomentar projetos capazes de facilitar as condições de organização e higienização. Caso tenha mais de um andar, as janelas e vãos devem ter grades, portanto é bom pensar em uma solução estética que não descaracterize a humanização que os espaços precisam.

Também se deve pensar no fluxo e controle de acesso de moradores, voluntários e funcionários. Na Casa 1, que funciona como uma república, os moradores são responsáveis pelo espaço, não há funcionários de zeladoria. O acesso ao núcleo de moradia é restrito a acolhidos, funcionários de gestão e eventuais prestadores de serviço, proporcionando maior privacidade e autonomia para quem vive lá.

O controle de acesso também facilita a segurança, portanto os fluxos devem ser bem estruturados. São necessários pequenos armários individuais com chaves ou cadeados (lockers) para que moradores guardem documentos e outros bens pessoais. Esses lockers devem estar em locais de boa visibilidade para todos. Mesmo que o projeto tenha mais de um quarto coletivo, é bom que se pense bem a localização apropriada. Se com nossa própria família temos problemas com o irmão pegando nossas coisas, imagina com outras pessoas?

Outro ponto a se destacar é uma boa área de armazenagem. Ao menos duas despensas – uma para o cotidiano dos moradores e uma despensa administrativa controlada – Além da armazenagem separada de produtos de limpeza e inflamáveis.

Para os moradores, deve-se prover armários individuais. Geralmente eles chegam com poucas coisas, mas vão conquistando pertences preciosos ao longo de sua estadia (e acumulando também, quem nunca?). Uma área específica e com boa ventilação para colocar sapatos, um item muito estimado para muitos LGBT+, além de um maleiro. O cuidado com os pertences dos moradores deve ser acompanhado por boa ventilação e praticidade na limpeza, para evitar pragas como mosquitos, percevejos e ácaros.

Ademais, há que se pensar em espaços administrativos e de atendimento individual que abriguem atendimentos psicossociais, conversas e acompanhamento, assim como espaços coletivos de convívio e de reunião para rodas de conversas, cursos de formação, e até as chamadas “lavagens de roupa suja”. Não se deve esquecer também que são jovens e precisam estudar, se entreter, bater papo, mas que devem ser estimulados pela gestão e pelo espaço a se atentar para a sociabilidade e relações sociais.

Muito do que estou falando aqui é o básico de qualquer projeto arquitetônico. Mas é isso mesmo. Não é preciso inventar muito, nem pintar toda a fachada com a bandeira do arco-íris (ok, talvez uma imagem da Pabllo Vittar na calçada seja bem vinda). Aliás, se você observar a ocupação da Casa 1 vai perceber que os próprios moradores fazem muito bem esse trabalho de se apropriar do território e demarcá-lo pelos seus próprios corpos como LGBT+. A fachada pode receber outras estratégias para se destacar do entorno. Mais importante é pensar na implantação de uma forma em que a segurança proporcionada pelo espaço de acolhida possa se estender à rua, aos vizinhos, ao comércio local, ao bairro, à cidade, funcionando como uma verdadeira ferramenta de educação e sensibilização quanto à LGBTfobia.

Projetar uma casa de acolhida LGBT+ não é apenas projetar um abrigo, mas uma “infraestrutura de cuidado” em um sentido mais amplo. É considerar o valor social que se pode atingir não apenas para o público alvo e para o movimento LGBT+, mas para outros movimentos sociais, para a vizinhança, para a sociedade. A Casa 1, mesmo em espaços alugados e adaptados, sem um retrofit com arquitetos e grandes projetos, é certamente uma infraestrutura de cuidado de sucesso.

Referências

ALAM, Ashraful; HOUSTON, Donna. Rethinking care as alternate infrastructure. Cities, v. 100, p. 102662, maio 2020. Disponível em: <https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0264275119313484>. Acesso em: 19 maio. 2020.

BAAMS, Laura; WILSON, Bianca D. M.; RUSSELL, Stephen T. LGBTQ youth in unstable housing and foster care. Pediatrics, v. 143, n. 3, 2019.

DUARTE, Artur de Souza; CYMBALISTA, Renato. A CASA 1: habitação e Diálogo entre público e privado na acolhida de jovens LGBT. In: V ENANPARQ – Arquitetura e Urbanismo no Brasil atual: crises, impasses e desafios, Salvador. Anais… Salvador: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 2018.

GILROY, Rose; BOOTH, Chris. Building an infrastructure for everyday lives. European Planning Studies, v. 7, n. 3, p. 307–324, jun. 1999. Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09654319908720520>

KING, Andrew; STONEMAN, Paul. Understanding SAFE Housing – putting older LGBT* people’s concerns, preferences and experiences of housing in England in a sociological context. Housing, Care and Support, v. 20, n. 3, p. 89–99, 18 set. 2017. Disponível em: <https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/HCS-04-2017-0010/full/html>

LOS ANGELES LGBT CENTER. Social Services and Housing. 2019. Disponível em: <https://lalgbtcenter.org/social-service-and-housing>. Acesso em: 2 dez. 2019.

SCHULMAN, Sarah. Homofobia familiar: uma experiência em busca de reconhecimento. Bagoas – Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 05, p. 67–78, 2010. Disponível em: <https://www.cchla.ufrn.br/bagoas/v04n05art04_schulman.pdf>. Acesso em: 12 jun. 2018.

Notas

Rose Gilroy e Chris Booth (1999), Ashraful Alam e Donna Houston (2020).

Artur Duarte e Renato Cymbalista (2018).

Estudos como os de Sara Schulman (2010) e de Laura Baams, Bianca Wilson e Stephen Russell (2019).

Reportagem disponível em: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/01/sofrimento-idosos- gays-asilos-abandono-preconceito.html .Acesso em: 22 jul. 2020.

Como o estudo de Andrew King e Paul Stoneman (2017).

Interseccionalidade é um termo usado para destacar a importância de se considerar marcadores sociais como classe, gênero, identidade de gênero, raça e idade nas diferentes vivências e vulnerabilidades sociais.

Agradeço a Vanessa Correa pelo olhar crítico e pelas dicas valiosas.

Centro de Acolhida e Cultura Casa 1
No Comments

Leave a Reply