BLOG

Coletivo Agridoce volta ao Recife depois de uma passagem pelo Festival Internacional de Teatro

O grupo recifense apresenta o espetáculo Mar Fechado nos dias 12 e 13 de maio no teatro Hermilo Borba Filho.


“Mar Fechado” é um espetáculo que mistura teatro e dança numa narrativa sobre a vida de Janaína e Caetano, indivíduos que trazem consigo uma ligação com as religiões de matrizes africanas, eles se perdem no vasto oceano social moderno à procura de algo que não se pode tocar nem ver. Enquanto ela luta para superar todo o peso do seu passado e a solidão atrelada à vivência da mulher negra, ele anseia por um mergulho profundo que lhe traga liberdade sem perder o controle, imerso em relacionamentos líquidos e em uma busca para encontrar a si.

O espetáculo que teve uma temporada interrompida pela pandemia de COVID-19 em março 2020, voltou a ser apresentado no último mês de abril como parte da programação do Trema festival internacional de teatro que aconteceu de 24 de abril a 1 de maio.

“Foi emocionante reencontrar o público presencialmente após dois anos presos nas telas, nos alimentou de uma forma excepcional. Foi como voltar a respirar e a expectativa é de que o público compareça nas próximas apresentações para que possamos fazer esse mar acontecer juntes”, diz Nilo Pedrosa integrante do elenco do espetáculo e do Coletivo Agridoce. 

“Estar em cena novamente com esse trabalho, que durante tanto tempo me trouxe várias inquietações, sobre o poder estar em cena e não necessariamente precisar falar sobre o meu corpo travesti, mas poder trazer para pauta outras questões que perpassam o meu corpo e o meu fazer artístico, e assim poder narrar a minha escrita enquanto mulher negra e a de tantas outras mulheres negras, e poder revisitar e reconstruir o texto e provocar outras narrativas sobre afetividade e relacionamentos vastos, e dando a possibilidade de encontrar uma ancestralidade que faz com que o meu agora aconteça em estado de presença, me fez voltar a acreditar em mim mesma e ganhar forças para continuar nadando nessa imensidão de um mar social que traga corpos e vivências como as minhas, a ponto de anular historicamente nossas falas, nossas forças, potencialidade, histórias e tentar nos afogar em um mar de silenciamento profundo, diz a dramaturga Sophia William.

Sinopse

Um recorte sobre questões afetivas e como essas questões se modificam ao se depararem com a diversidade. Discute a solidão da mulher negra, o vazio afetivo que norteia a sociedade atual, relações parentais, abusivas, e relações afetivas com prazo de validade. A amizade de figuras contrastantes que se encontram e se reconhecem um no outro, na tentativa de dialogar com o diferente, de mergulhar profundamente em águas desconhecidas. 

Através de monólogos densos que são desaguados quase que num fluxo contínuo ou em diálogos improváveis e descontraídos que trazem leveza e fazem rir pela identificação imediata com o absurdo da realidade que se faz presente. Fortes e leves como o mar, Janaína e Caetano buscam ferramentas e maneiras de escaparem da prisão de dentro de si. Transbordam, crescem, diminuem, dão suporte e caem, abraçam e deixam partir numa narrativa que ignora a temporalidade linear. Tudo é espiral, causa e consequência se confundem  e uma gota pode se fazer oceano.

Sobre o Agridoce

O Coletivo de Dança-teatro Agridoce surgiu a partir da amizade entre multiartistas que se conheceram trabalhando na cena recifense. Estreou com a primeira temporada do espetáculo Trans[Passar], em março de 2019, no Teatro Hermilo Borba Filho. Em agosto do mesmo ano, estreou Mar Fechado. Tanto as questões de gênero e sexualidade quanto de raça estão presentes nos trabalhos do coletivo formado por Aurora Jamelo, Flávio Moraes, Nilo Pedrosa e Sophia William. Que além dos espetáculos Produzem anualmente o festival Janeiro Sem Censura, que surgiu como um movimento contra a censura sofrida pela atriz Renata Carvalho num festival recifense, e está na sua quarta edição e desenvolvem uma investigação sobre a urbanização e o apagamento da identidade da cidade do Recife que deu origem à performance RIZOPHORA estudo número 1 que já foi apresentada no projeto Cena Agora, do Itaú Cultural (SP) e no Museu Paço do Frevo (PE).

*Os ingressos para as apresentações no teatro Hermilo Borba Filho podem ser adquiridos na bilheteria, na hora dos eventos ou antecipadamente através do direct do instagram do grupo @teatroagridoce, no valor de R $30. Como já é tradição no Agridoce, 10% dos ingressos de cada sessão são transfree, ou seja, serão distribuídos gratuitamente para pessoas trans e travestis. Interessades devem entrar em contato através do instagram @teatroagridoce e informar seu nome social e para qual data deseja reservar o ingresso.

SERVIÇO:

Datas de apresentação: 12 e 13 de maio de 2022.

Horário: 20:00h.

Local: Teatro Hermilo Borba Filho, Cais do Apolo,142 – Recife-PE.

Entrada: R $30 (inteira),  R $15 (meia) e Transfree. vendidas na bilheteria do teatro uma hora antes do início do espetáculo ou antecipadamente através do direct do instagram @teatroagridoce. Mais informações: teatroagridoce@gmail.com

Ficha Técnica:

Dramaturgia: Nilo Pedrosa e Sophia William

Direção: Aurora Jamelo e Flávio Moraes

Elenco: Nilo Pedrosa e Sophia William

Coreografia e Preparação de Elenco: Sophia William

Colaboração textual: Estevão Caminha

Cenografia: Aurora Jmelo e Nilo Pedrosa

Figurinos e Iluminação: Aurora Jamelo

Assistente de Produção: Kadydja Erlen

Assessoria de imprensa e redes sociais: Nilo Pedrosa

Foto de capa: Lucas Emanuel 

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

POC CON chega na 4ª edição com mais de 170 artistas, Cosplay Lip Sy...

Especulação imobiliária e marchinhas de carnaval temperam a comédia...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...

BICHADOS, da Cia. Artera de Teatro, faz temporada na Oficina Cultur...

Em 2024, Masp terá programação focada na diversidade LGBTQIA+

Casa 1 realiza primeira chamada aberta do ano para educadores e ofi...

Inscrições para o projeto Plataforma Conexões 2024, do Museu da Lín...

Espetáculo teatral “INVISÍVEL” estreia em São Paulo e a...

Musical sobre ativista Herbert Daniel estreia em São Paulo no Núcle...

Coletiva de teatro Rainha Kong apresenta obra sobre a trajetória da...

Festival Mix Brasil tem programação gratuita no Teatro Sérgio Cardoso