BLOG

Demolição de casa de Caio Fernando Abreu é materialização do descaso com a memória

Na terça-feira, ativistas, artistas e leitores se movimentaram para tentar barrar a demolição de um sobrado na rua Doutor Oscar Bittencourt, no bairro Menino Deus, em Porto Alegre. A derrubada estava agendada para o dia 19/7 mas no local o grupo teve uma surpresa: a casa já estava no chão. 

Esta não foi a primeira tentativa de resgatar o histórico imóvel onde o escritor brasileiro Caio Fernando Abreu viveu. Em 2010, a Associação Amigos do Caio Fernando Abreu (AACF) queria que o local abrigasse um centro cultural, mas a casa foi leiloada antes que o projeto fosse totalmente desenhado e aprovado pela prefeitura. 

A AACF entrou com uma ação popular assim que a casa foi leiloada, para tentar impedir a demolição e oficializar a importância histórica do imóvel, mas foi atropelada pelo interesse mobiliário e descaso do poder público com a memória de uma figura importante para a luta contra a ditadura, para o movimento LGBTQIAP+ e das pessoas que vivem com HIV e AIDS.

Para o jornal Sul21, o engenheiro que coordenou a derrubada da casa disse que não sabia que ali tinha morado uma figura histórica e nem contou os planos que os novos donos do terreno tem para o espaço.

Caio Fernando Abreu nasceu em 1948 no Rio Grande do Sul. Durante a vida adulta, o jornalista e escritor morou em São Paulo e escreveu para diversas revistas e jornais. Foi amigo de grandes nomes da literatura como Hilda Hilst, e foi na casa da amiga que se refugiou no período em que foi perseguido pela ditadura militar brasileira.

O autor de “Morangos Mofados” e “Pequenas Epifanias” morreu em 25 de fevereiro de 1996, na antiga casa do bairro Menino Deus, em decorrência da AIDS.

Foto de capa: @caiofentrenos / Reprodução / Instragram

Taubateana e Jornalista.

Notícias Relacionadas

Projeto “Lentes Coloridas” pesquisa perfil de profissionais LGBTQIA...

Casa 1 e Coletivo AMEM realizam Feira de Empregabilidade LGBTQIAPN+...

HQ Ciranda da Solidão é republicada e ganha edição especial

Conheça 10 pré-candidaturas LGBTQIA+ a prefeituras nas eleições de ...

Direitos LGBTQIAPN+ sob ataque no Congresso Nacional 

Instituições fazem mapeamento de candidaturas LGBTQIAPN+ para as el...

Com o tema “Aquilombar é Cura”, a Parada Preta 2024 aco...

Especialistas discutem os principais desafios de empregabilidade LG...

Pesquisa apresenta as maiores dificuldades das instituições LGBTQIA...

CUT lança cartilha de formação sindical como foco em pessoas trans

No fim das contas, ser orgulhosamente LGBTQIAPN+ era só moda mesmo

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...