Lorem quis bibendum auci Lorem gravida nibh vel velit auctor aliquet. Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auci elit consequat ipsutis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate cursu. Ut enim ad minim veniam.

Follow me on instagram

© 2016 Your Business Name!

Festival de cinema debate direitos humanos, gênero e racismo

Festival de cinema debate direitos humanos, gênero e racismo

Por  Lívia Lima, para Nós Mulheres da Periferia

O Entretodos 13 – Festival de Filmes Curtos e Direitos Humanos, reconhecido internacionalmente como uma importante plataforma de valorização da cultura, educação e difusão dos direitos humanos, começa no próximo domingo (13). Totalmente gratuito e online, o evento conta com a participação de filmes de todo o mundo em uma programação até o dia 19. O evento é realizado pela Prefeitura de São Paulo, Spcine e ESTATE Produções.

A curadoria do evento teve o cuidado de selecionar filmes curtos que promovam o debate sobre diretos humanos, como participação social, direito à moradia, à vida, à igualdade social, orientação sexual, processos migratórios, direitos da juventude, idosos, crianças e adolescentes, pessoas com deficiência, ativismo político, ambiental entre outros.

A programação do Entretodos conta com atividades diárias, como a disponibilização de todos os filmes no site e cinco sessões da Mostra Competitiva, de 14 a 18 de setembro, sempre às 18h – com exceção para quinta (17) quando acontece às 16h – transmitidas pelas redes sociais e seguidas por bate-papos com diretores e participação do público.

Além disso, o evento conta com exibições de filmes com debates especiais sobre temas como educação, pandemia, sistema prisional e trabalho.

Entre os filmes apresentados no festival, alguns retratam a questão de gênero em seus diversos aspectos. Entre eles, o argentino “Vigilia”. Dirigido por María Magdalena, o filme fala sobre o debate sobre a descriminalização e legalização do aborto na Argentina, uma dívida histórica para as mulheres. Em 2018, pela primeira vez, o debate sobre a interrupção voluntária da gravidez chegou ao Congresso. Mais de um milhão de pessoas participaram, então, no dia 13 de junho, de uma vigília de mais de 20 horas durante o debate.

O filme brasileiro “Minha História é Outra”, dirigido por Mariana Campos, apresenta uma relação entre gênero e raça. Niázia, moradora do morro da Otto, abre a sua casa para compartilhar as camadas mais importantes na busca pela resposta à questão “O amor entre mulheres negras é mais que uma história de amor?. Já a estudante de direito Leilane apresenta os desafios e possibilidades de construir uma jornada de afeto com Camila.

Dois filmes tratam da relação entre sistema prisional e gênero. Em “Liberdade é uma Palavra”, dirigido por Stephanie Ricci, é apresentado o cotidiano de mulheres e crianças que vivem presas no Centro de Referência à Gestante Privada de Liberdade, em Vespasiano, Minas Gerais. Já “Homens invisíveis”, de Luis Carlos de Alencar, apresenta a situação da população transgênero masculina no cárcere a partir dos problemas de saúde acarretados pelo binarismo de gênero que embasa o sistema penal.

Os filmes “Alcateia”, dirigido por Carolina Castilho e “Cosecha”, de Wendy P. Espinal, abordam as diversas barreiras, desafios e agressões que as mulheres vivem em seu cotidiano. Alcateia conta de mulheres que se juntam contra as agressões sofridas por uma delas pelo marido. Cosecha narra a dificuldade de mães-solo. Mãe e filha se preparam para uma grande mudança e separação.

O anúncio dos filmes vencedores, entre os 34 participantes, será no dia 19 de setembro, às 17h, na cerimônia de encerramento do Festival com transmissão pelo Youtube e site. Além dos jurados técnicos haverá um Júri Popular em que o público poderá votar no site do evento. Serão distribuídos prêmios de até R$ 5.000,00.

O  festival ainda conta com a Mostra Moçada, que pela primeira vez na história do evento será competitiva. Serão premiados os melhores filmes nas seguintes categorias: Melhor Curta Infantil; Melhor Curta Juvenil e Melhor atuação (troféu/prêmio não-remunerado) com o objetivo de incentivar atores menores de 18 anos. Ela é dividida pelos blocos Juventude e Infantil) que dão destaque para animações e filmes que destacam atores menores de 18 anos. Os blocos Juventude e Infantilacontecerão em todos os dias do festival, no Instagram, com lives com os diretores às 14h, 15h e 16h.

A programação completa também estará disponível na plataforma SPCINEPLAY, entre 17 e 26 de setembro. O Festival ainda conta com um podcast, que aprofunda algumas temáticas trazidas pelos filmes.

O evento promove reflexões sobre a importância da garantia de direitos para toda a sociedade, discutindo os direitos humanos de forma artística e transversal, não apenas didática. Para isso, utiliza os filmes para inspirar a sociedade nessas temáticas. Em um momento que muito se discute a importância da democracia, da cultura e do conhecimento, é fundamental a disseminação de conteúdos claros e de qualidade sobre os diversos assuntos que mais impactam a vida dos brasileiros.

“Essa pandemia está escancarando a realidade de desigualdade e intolerância do Brasil. Isso só reforça a necessidade da garantia dos direitos humanos. Apesar de distantes, este ano estaremos mais conectados e fortes do que nunca. É isso que pretendemos passar com a realização de ações em diversos canais de comunicação”, afirma Jorge Grinspum, coordenador do Entretodos.

Clique aqui e acesse a programação completa

Foto de capa: cena do filme “Minha história é outra”, de Mariana Campos. – Crédito: Divulgação

Jorge é o Social Media da Casa 1, um centro de acolhida e cultura LGBT, onde faz a produção de conteúdos e cuida das redes sociais da mesma. Formado em Jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi, atuou como estagiário de Análise de BI trabalhando para diversas marcas e é LGBT e surdo.
No Comments

Leave a Reply