BLOG

Jornalista do Campo Limpo, Aline Rodigues lança livro infantil com versão em libras

“Meio sei lá o que”, que aborda a confusão de sentimentos na perspectiva de uma criança, está com uma campanha de financiamento coletivo para custear a impressão

Por Jessica Bernardo

Que atire a primeira pedra quem nunca passou um dia sem conseguir definir bem o que estava sentindo. Aquela impressão de estar “meio sei lá o que” é o tema do novo livro da jornalista, educadora popular e cofundadora do Periferia em Movimento, Aline Rodrigues, que está com uma campanha de financiamento coletivo aberta para custear a obra.

O livro “Meio sei lá o que” conta a história de uma criança que tenta se entender em meio a uma confusão de sentimentos, e convida o leitor a refletir sobre a importância do acolhimento em situações como essa. “Ele propõe que o adulto observe que a criança também tem esses momentos e possa conversar com ela”, explica a autora.

Uma das principais inspirações para a escrita foi o livro “Sonhos de Dia”, da escritora Claudia Werneck. Com mais de 250 mil exemplares vendidos, a obra foi uma das primeiras da literatura infantil brasileira a cumprir, na íntegra, as leis de acessibilidade. “Meio sei lá o que” também terá versões em libras e audiodescrição.

Aline e a filha, Helena, com o livro “Sonhos de Dia”/ Divulgacão

Moradora do Campo Limpo, na zona sul de São Paulo, Aline iniciou em março uma campanha para arrecadar os recursos necessários para a impressão.

O financiamento coletivo, aberto no site Catarse, vai até o dia 29 de abril. Entre as recompensas previstas para quem apoiar o projeto estão exemplares do livro, ecobags e uma régua de sentimentos.

A ideia do livro surgiu depois de uma conversa com a amiga e psicóloga Elânia Francisca, em 2021. Na época, as duas tinham uma reunião marcada, mas Francisca pediu para adiar o encontro.

“Ela mandou uma mensagem falando que não estava ‘legal’. Usou mais ou menos esse termo, ‘tô meio sei lá o que’. No mesmo dia eu escrevi, do começo ao fim, a primeira versão do livro”, relembra Aline.

Mãe de Helena, 6, a jornalista é apaixonada por literatura infantil e percebeu que nenhum dos livros da filha abordava emoções como aquela.

Nunca tive acesso a um livro que falasse desse não-lugar, do não saber definir”

Em “Meio sei lá o que”, uma criança descreve o que sente em dias confusos. “A cabeça fica cheia, ao mesmo tempo que parece não ter nenhum pensamento dentro dela… É um vazio que parece ter um buracão dentro da gente”, conta um trecho do livro.

As ilustrações foram feitas pela artista visual Zerlo, que foi também a responsável pela ideia de costurar a história através de uma criança.

Ilustrações do livro são da artista visual Zerlo/ Divulgacão

“A princípio eu não tinha nem pensado no personagem e aí ela trouxe a ideia de alguém que passeia por essas emoções”, diz Aline.

A criança da narrativa foi desenhada sem traços específicos de gênero, segundo a autora. “O personagem não tem nome e gênero. Acho que é uma oportunidade para que todos se identifiquem”.

Acesse o site da Agência Mural.

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo. O conteúdo da Agência Mural é livre de direitos autorais e reproduzido aqui no site da Casa 1 com os devidos créditos.

Notícias Relacionadas

Conheça Quinze Dias e outros 3livros representativos para ler e dep...

Primeira parlamentar travesti no estado do Rio de Janeiro lança liv...

Conheça o Clube do Livro “Pomar”, o clube de leitura da...

A história pioneira de João W. Nery em seus livros de memórias

Os quadrinhos de Alison Bechdel

 8 livros brasileiros LGBTQIAPN + de 2023 para ler em 2024 

Antologia “Fora do Padrão” reúne quatro décadas de quad...

A Biblioteca Comunitária da Casa 1 e a formação de pequenos leitores

Sam Bourcier e o unicórnio que peida

Bibliotecas comunitárias buscam ecoar diversidade e formar leitores

João Silvério Trevisan: Pai, Pai, um ritual de cura em meio à cultu...

Confinada — e o sequestro da população preta, pobre e periférica du...