Projeto “memorial incompleto da epidemia de aids” abre convocatória para que a sociedade compartilhe suas lembranças sobre as vítimas da epidemia no Brasil 

A Casa 1, o Acervo Bajubá, o Museu da Diversidade Sexual, a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, o Grupo de Incentivo à Vida e o Pela Vidda SP lançam o projeto memorial incompleto da epidemia de aids, uma iniciativa aberta, coletiva e sem fins lucrativos. O principal objetivo deste primeiro momento é recolher depoimentos que irão compor uma rede de relatos, que serão compartilhados publicamente em uma colcha de retalhos, inspirada no Projeto Nomes, surgido nos Estados Unidos em meados dos anos 1980. Os depoimentos também serão difundidos no formato de pequenos áudios.

 Para tanto, o projeto inicia agora uma convocatória pública para que amigas, amigos, familiares e pessoas que queiram compartilhar suas lembranças sobre as vítimas da epidemia da aids no Brasil enviem uma proposta de retalho que formará a colcha e também áudios anônimos com duração de 03 a 10 minutos. Ao final do projeto, os áudios e imagens dos retalhos serão disponibilizados anonimamente no site do projeto; e a colcha será apresentada nos espaços parceiros em exposições abertas ao público.

QUEM PODE PARTICIPAR?

Todo mundo pode participar! O memorial tem como propósito celebrar as memórias de pessoas vítimas da epidemia da aids e pode ser feita por familiares, amigas e amigos e pessoas que queiram compartilhar essas lembranças.

COMO PARTICIPAR?

Os áudios, que serão anônimos, devem conter de 3 a 10 minutos. A ideia é que sejam divulgados sem edição! 

Para o retalho, é possível criar um rascunho em papel e mandar uma foto para a equipe do projeto, que confeccionará o material conforme o esquema e a disponibilidade de materiais. Quem se interessar também pode fazer e enviar: os tecidos e técnicas podem ser variados, desde que seja mantido o tamanho do retalho (50x50cm). A sugestão é que seja feito em um tecido mais grosso para garantir a durabilidade da colcha na circulação. Também é possível fazer o próprio retalho conforme agendamento prévio no Galpão Casa 1 (Rua Adoniran Barbosa, 151 – Bela Vista).

PARA ONDE ENVIAR?

Os envios, dúvidas, agendamento de coleta de áudios ou criação dos retalhos podem ser feitos pelo email educativo@casaum.org e pelo WhatsApp (11) 91013-6994.

Os pontos de referência do projeto ficam no centro de São Paulo, no Galpão da Casa 1 (Rua Adoniran Barbosa, 151 – Bela Vista) e no Museu da Diversidade Sexual (Estação República do Metrô – R. do Arouche, 24 – República).

MAIS SOBRE O PROJETO

O memorial incompleto da epidemia de aids busca retomar os objetivos que inspiraram o Projeto Nomes e outras iniciativas desde então, de ilustrar a enormidade da epidemia da aids, encorajar uma atitude de compaixão para as pessoas vivendo com o hiv e gerar uma forma criativa e positiva de expressão para aqueles cujas vidas foram de alguma maneira tocadas pela epidemia. Além desses objetivos, a iniciativa celebrará as respostas e ações de solidariedade e registrará as diferentes percepções sobre os impactos da epidemia da aids nas últimas quatro décadas no Brasil. O recolhimento de relatos contará com a colaboração, participação e o apoio de diversos grupos e indivíduos ligados ao combate da epidemia de hiv/aids no Brasil

SERVIÇO 

O que? memorial incompleto da epidemia de aids

Quando? a convocatória para envio de relatos começa no dia 12/8

Onde? os depoimentos podem ser enviados para o email educativo@casaum.org e WhatsApp (11) 91013-6994

Mais informações no site memorial.casaum.org

Compartilhe:

Por Casa 1

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

2 thoughts on “Memorial busca registrar e difundir histórias de vítimas de aids no Brasil”
  1. Sou Maquiador a mais de 30 anos com especialização em pele negra. Além de todos os outros tons de Pele, estou aqui buscando como fazer para enviar meu currículo pra Casa1. Pois trabalhar com vceis será maravilhoso,levar o acesso a beleza,a todas que acham isso impossível, fazer a diferença na vida de muitas pessoas,isso é maravilhoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *