BLOG

Paradas LGBTQIA+ se espalham pela Grande SP e enfrentam resistência

A última vez que Osasco, na Grande São Paulo, teve uma Parada LGBTQIA+, a técnica em marketing Eloísa Souza, 22, era um criança e o evento ainda era chamado de “Parada Gay”. O ano era 2011 e a cidade chegava à quarta edição consecutiva da manifestação. De lá para cá, o município mudou e não realizou mais eventos do tipo até este domingo (31).

“É esperançoso ver Osasco sendo a cidade de todas as famílias”, afirma Eloísa, citando o tema da Parada: “Osasco de Todas as Famílias”. “Quando teve a última, não tive envolvimento, não fazia nem ideia de que um dia faria parte de um movimento de militância”, conta.

O evento na região central do município não tem apoio da prefeitura e foi organizado, entre outros, pela Mandata Ativoz do PSOL, da Câmara Municipal. A realização na cidade da região metropolitana mostra uma tendência que vem se repetindo em vários pontos da Grande São Paulo.

Na capital, a Parada do Orgulho LGBTQIA+ ocorreu em junho após dois anos de edições remotas na pandemia de Covid-19. Ao menos oito cidades vizinhas também organizaram atos, por meio de ações de grupos e coletivos independentes que tentam aproximar esses municípios de pautas do movimento, como o respeito e o combate à intolerância.

O estudante Vitor Santos Correia, 20, diz ser simbólica a realização da Parada em Osasco neste momento. Ele lembra que o presidente Jair Bolsonaro (PL), crítico às pautas da população LGBTQIA+, recebeu título de cidadão osasquense pela Câmara Municipal recentemente.

“Por conta desse cenário político, se mostra indispensável ocuparmos as ruas, construirmos esse movimento e levar adiante nossas vozes e nossos corpos, que são políticos e que têm o poder de transformar a realidade concreta”, afirma.

A realização de Paradas tem sofrido resistência em alguns municípios administrados por políticos conservadores.

Suzano teve a primeira Parada LGBTQIA+ da história no dia 24. Dois dias antes do evento, a prefeitura da cidade entrou com um pedido de liminar para impedir que a Parada fosse feita da forma pretendida, circulando por vias da região central. Queria que o evento se restringisse a praças da cidade.

A gestão Rodrigo Ashiuchi, também do PL, alegava que a entrada em um hospital da região poderia ser prejudicada. Os organizadores, por sua vez, afirmam que desde fevereiro buscavam com a prefeitura uma forma de realizar o ato. No fim, a Justiça não aceitou o pedido da prefeitura, e o evento foi realizado, recebendo pessoas de várias regiões, inclusive de fora de Suzano.

“Muito estranho a administração impor tantos limites. Jesus acolheu a todos, independente do gênero, orientação, classe ou cor”, afirma Amanda Soares, 41, moradora de Itaquera, na zona leste de São Paulo. Ela faz parte da Igreja Pentecostal Resgate em Cristo e foi à Parada de Suzano para apoiar a causa.

Em Guarulhos, já houve tentativa em 2015 na Câmara Municipal de proibir a Parada. O projeto, contudo, não foi a frente, e a cidade teve 14 Paradas até 2019, antes da pandemia. A 15ª edição está marcada para 25 de setembro, em local a ser definido.

A ação nas cidades aproxima a causa da população. “Quando rolava Parada do Orgulho fora da minha cidade, eu tinha que escolher, entre comer e usar o dinheiro para passagem. Essa é a realidade”, relata a fotógrafa Daiana Oliveira, 22, moradora do Jardim Marilena, que já compareceu a três paradas guarulhenses. “Ser LGBTI+ em Guarulhos é bem complexo, além da violência e descaso, há poucos lugares para nós”, ressalta.

Também houve uma parada no ABC Paulista, em Diadema, no começo de julho. Em Santo André, a prefeitura afirma que recebeu pedido para a realização de um ato, mas sem detalhes sobre a organização.

Em Itaquaquecetuba, são 16 anos de eventos e os grupos prometem um “retorno exuberante e político” a partir de 21 de agosto. “A parada de Itaquá vem movimentando há vários anos um trabalho social de igualdade, onde o próprio município não dá essa assistência para essa população LGBTQIA+”, afirma a educadora Nathalia Santana, 41, educadora social e presidente da ONG Para Tod@s.

Os movimentos realizados nas cidades também têm inspirado a população de outros municípios que ainda não tem tradição nesse tipo de ato. Em Poá, houve uma Parada apenas em 2017. Grupos pretendem se reunir na Câmara Municipal para a realização de uma segunda edição em novembro.

“É muito importante que todos os municípios tenham essas manifestações culturais, seja ela de qual segmento for: do movimento negro, do movimento LGBTQIA+, do movimento de católicos, evangélicos, todos temos o direito a manifestação”, defende o professor Júnior Reis, 33.

“Poá ainda é uma cidade muito conservadora, nós temos um Legislativo, um Executivo conservador. Então a gente vai buscar essa parceria com eles pra gente tentar unir forças.”

PRÓXIMAS PARADAS NA GRANDE SP

Itaquaquecetuba: 28.ago, às 10h, na praça Padre João Álvares Guarulhos: 25.set. Local a definir
Mogi das Cruzes: 11.set. Concentração a partir das 12h na avenida Cândido X. de Almeida e Souza e caminhada até a avenida Cívica
Poá e Santo André: A ser definido
Paradas já realizadas: Suzano, Diadema e Osasco

Por RENAN OMURA, BRUNA NASCIMENTO, CAROLINA MARIA, MATEUS FERNANDES E PAULO TALARICO

SUZANO, SP – OSASCO, SP – GUARULHOS, SP 

Foto de capa: Reprodução/Observatorio IG

A Folhapress é a agência de notícias do Grupo Folha e comercializa e distribui diariamente fotos, textos, colunas, ilustrações e infográficos a partir do conteúdo editorial do jornal Folha de S.Paulo, do jornal Agora e de parceiros em todos os Estados do país. O serviço da Folha Press foi contratado pela Casa 1 em março de 2021 para estimular o acesso à informação de qualidade, com responsabilidade ética e jornalística e é publicado junto de conteúdos produzidos pela equipe de comunicação e outra agências de notícia independentes, igualmente qualificadas.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...

28ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, que acontece dia 2 de jun...

Conheça o Clube do Livro “Pomar”, o clube de leitura da...