A curadora, pesquisadora e educadora Luciara Ribeiro postou nesta quinta-feira, 11, uma declaração em relação a cessão temporária dos perfis de redes sociais de artistas brancos e brancas para pessoas negras. A prática que começou com a filosofa Djamila Ribeiro assumindo a conta do Instagram do humorista Paulo Gustavo se estendeu para outros artistas como Ingrid Guimaraes cedendo a conta para o youtuber e publicitário Spartakus, Tatá Werneck dividindo o perfil com a cantora Linn da Quebrada e Armando Babaioff que emprestou a conta para o publicitário Ricardo Silvestre.

No texto, Luciara afirma entender o porque dessa movimentação que tem por função visibilizar as pautas relativa a negritude e o protagonismo de pessoas negras, no entanto aponta que as iniciativas tem pouca atuação prática: “Vou levar essa campanha à sério quando essas mesmas pessoas brancas começarem a ceder os seus cachês e convites publicitários, quando rejeitarem convites de emissoras e programas racistas, quando contratarem pessoas negras para suas equipes”, explica.

Outro ponto bastante importante que Luciara traz é que esses artistas devem entender que “são agentes da mudança e que não dá para terceirizar tal responsabilidade” e que “pessoas brancas precisam assumir suas responsabilidades perante o racismo”. Nestas colocações, a curadora vai de encontro ao post feito pela cantora, compositora, poeta, tradutora, zineira, blogueira, editora, pesquisadora em literaturas da diáspora negra sexual-dissidente Tatiana Nascimento no dia 9 de junho:

https://www.instagram.com/p/CBMP-NlHlK6/

“[…] Tenho insistido na inversão paradigmática fundamental que é: pessoas brancas, saiam da manifestação performática da culpa y construam uma ética da responsabilização racial. isso demanda coragem de tentar, errar, conversar entre vcs do que têm coragem de fazer, o que podem, o que não vão dar conta”, explica Tatiana completando que a cobrança para que apenas pessoas negras falem sobre racismo é um problema e que não se deve esperar que pessoas negras sentem e ensinem pessoas brancas sobre questões raciais e sugere: ” lê os textos, y/ou faz o curso. pague pelo meu trabalho ou se dê ao trabalho de ler mais de uma postagem. tô há mais de um ano escrevendo organizadamente sobre isso. tenho até um livro publicado!”

Tatiana está inclusive ministrando um curso online sobre privilégio branco que você pode se inscrever aqui. É importante ressaltar que o curso é pago, como deve ser se tratando de um trabalho e que 50% da arrecadação será repassada pra um grupo de migrantes togoleses que vive em São Paulo e  para uma família negra do Distrito Federal.

Vale destacar ainda a postagem da co-deputada Erika Hilton que publicou também no dia 9 de junho uma lista de autores e autoras negras para se informar sobre questões raciais.

A Casa 1 entrou em contato com Luciara Ribeiro e Tatiana Nascimento pedindo autorização para reproduzir aqui as publicações feitas em seus respectivos perfis pessoais.

By Casa 1

Centro de Acolhida e Cultura Casa 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *