BLOG

Teatro, dança e performance compõem o Tríptico A Morte da Estrela, que faz temporada gratuita na Oficina Cultural Oswald de Andrade


Experiência cênica criada por Lúcia Romano, Fernanda Haucke e Thais Dias é formada por três espetáculos de diferentes linguagens que refletem
sobre a falência dos grandes sistemas de mundo

O mundo está em constante mudança. E o embate entre aceitar o novo ou se agarrar aos antigos paradigmas foi o ponto de partida para a atriz Lúcia Romano idealizar o Tríptico A Morte da Estrela. Trata-se de uma experiência cênica formada por três espetáculos de diferentes linguagens com duração de 45 a 55 minutos cada. A obra ganha uma temporada gratuita na Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro) entre os dias 5 de outubro e 4 de novembro de 2023, com sessões às quintas e sextas, das 19h às 22h e, aos sábados e feriados, das 18h às 21h. 

O público tem autonomia para assistir ao trabalho da forma que preferir. Estão programados intervalos entre os espetáculos, prevendo a entrada e a saída dos espectadores. Ou seja, é possível assistir tanto os três no mesmo dia quanto em dias diferentes. Basta retirar os ingressos que desejar na bilheteria com uma hora de antecedência.

Esta vivência pode ser ainda mais profunda, pois, entre 9 e 25 de outubro, acontecem rodas de conversa e oficinas, sempre das 19h às 21h30. A ideia é dar visibilidade a temas como criação autoral e artivismo de mulheres, dramaturgia e engajamentos identitários e formação de espectadorxs. Além da equipe do espetáculo, estarão presentes nos encontros Janaína Leite, Luciana Lyra, Vana Medeiros, Maria Fernanda Vomero, Poliana Pitteri e Vanessa Biffon Lopes. (veja a programação completa abaixo).   

Experiência inovadora

Primeira parte

Em cena estão as atrizes criadoras Lúcia Romano, Fernanda Haucke e Thais Dias, com acompanhamento musical de Bel Borges e Natalia Mallo, que dirige a primeira parte do tríptico, Lembre-se de Mim, uma dramaturgia inédita de Vana Medeiros. Na trama, três atrizes brasileiras dedicadas à pesquisa têm a missão de salvar uma estrela de teatro de sua morte por esquecimento. Enquanto se esforçam para cumprir o objetivo, percebem o quanto esta figura-espectro ainda exerce influência sobre elas. 

Com um cenário que remete a uma sala de ensaio, este espetáculo metalinguístico segue a estrutura dramática. “Nos inspiramos no esqueleto de Hamlet, uma narrativa deflagrada pela aparição de um fantasma. O personagem shakespeariano está diante de um impasse, porque essa fantasmagoria exige dele vingança: algo tão difícil de representar na cena teatral, de repente, quer fazer o mundo girar. Da mesma maneira, na nossa versão, uma estrela já morta pede para ser lembrada. Como agir? O que vale a pena preservar? Como nos comportamos quando estamos diante de uma mudança iminente, é sobre isso  que queremos falar”, conta Lúcia. 

Lembre-se de Mim, primeira parte do Tríptico A Morte da Estrela | Crédito: Manu Rabinovitch

Segunda parte

Mais voltada à participação sensível, a segunda parte, Devir o que?, foi concebida e dirigida por Lu Favoreto. É uma mistura entre teatro, performance e dança improvisacional, com o apoio de imagens em vídeo projetadas no ambiente. Lúcia Romano define este trabalho como “uma experimentação radical do corpo no espaço, em que são acionados fluxos, estados e movimentos, em tentativas individuais e coletivas de transmutação da figura humana e de suas estratégias de interação”.   

A estrela da primeira parte ganha outra dimensão neste espetáculo. “Queremos refletir sobre a nossa existência como humanidade. O corpo, aqui, extrapola os contornos individuais e se liga com o inumano e com o cosmos”, comenta Romano. 


Cena de Devir o que?, segunda parte do Tríptico A Morte da Estrela | Crédito: Ligia Jardim

Terceira parte

A terceira parte, batizada de Emborar, é inspirada no mito das Yamuricumã, narrado por Mapulu Kamayurá. Com direção de Cibele Forjaz e dramaturgia inédita de Claudia Schapira, o trabalho aborda a história de três mulheres que escutam um chamado e decidem partir, abandonando tudo, para construir um mundo diferente daquele em que vivem. 

O público é convidado a percorrer diversos espaços da Oficina Cultural Oswald de Andrade, acompanhando a marcha infinda das personagens. Após ouvir um trecho de um mito, narrado em Kamaiurá, a plateia se divide em três, aprofundando-se nas histórias das intérpretes, que compartilham seus chamados pessoais. Novamente num só coletivo, a plateia se junta a uma marcha, onde as lutas das mulheres, do passado e do presente, se entrelaçam.   

“Experimentamos desconstruir a própria noção de espetáculo, alargando os limites da cena teatral. Desde o início, em volta de uma espécie de fogueira e bem junto ao público, nos convertemos em facilitadoras da experiência de escuta, apenas comentando aspectos que achamos significativos. Menos atuação e mais partilha.”, detalha Romano.    

Em 2022, o Tríptico A Morte da Estrela fez uma temporada no Sesc Ipiranga. A criação é assinada pela Barca de Dionisos, com produção da Corpo Rastreado.

Uma imagem contendo no interior, mesa, edifício, frente

Descrição gerada automaticamente
Cena de Emborar, terceira parte do Tríptico A Morte da Estrela | Crédito: Ligia Jardim

Sinopse

O Tríptico A Morte da Estrela é uma experiência cênica composta por três espetáculos, de formatos diversos, que compõem um quadro multifacetado do tema da morte da estrela, desde a explosão dos corpos celestes e a falência do star system, até a revolta das mulheres.

As três peças, uma espécie de espetáculo-festival, provocam uma imersão em aspectos múltiplos da falência dos grandes sistemas de mundo, traduzindo no questionamento da persona social da “estrela” os desejos de transformação dos modos de convivência atuais.

Ficha Técnica

Atrizes-criadoras: Lúcia Romano, Fernanda Haucke e Thais Dias

Composição de trilha original, direção musical e arranjos: Natalia Malo 

Direção de Arte, cenografia e figurinos: Carla Caffé

Fundamentação corporal: Lu Favoreto

Desenho de luz: Cibele Forjaz

Assistência de direção (Natalia Malo e Lu Favoreto): Luciana Azevedo

Assistência de direção (Cibele Forjaz): Zia Basbaum

Assistência de iluminação: Carolina Paes Coelho Gracindo

Assistência de figurinos: Thais Dias

Assistência de cenografia: Lívia Loureiro

Estagiárias de arte: Carol Godefroid e Gabriela Sanovicz

Estagiárias de iluminação: Larissa Siqueira e Letícia Nanni Froes

Costureiras: Paula Mares e Thais Dias

Dramaturgia: LEMBRE-SE DE MIM – Vana Medeiros; DEVIR O QUE? – Lúcia Romano, Fernanda Haucke, Thaís Dias e Lu Favoreto; EMBORAR – Cláudia Schapira

Narrativa das Yamaricumã: Mapulú Kamayurá

Imagens projetadas: Manoela Rabinovitch (Manu)

Videografia (edição ao vivo e operação de imagens): Julia Ro e Lui

Música ao vivo e operação de áudio: Bel Borges

Operação de luz: Larissa Siqueira e Letícia Nanni Froes

Programação gráfica \ Danusa 

Design da plataforma digital: Clara Morgenroth

Divulgação: Canal Aberto

Fotos de divulgação: Ligia Jardim e Manu Rabinovitch

Produção executiva: Corpo Rastreado – Jack dos Santos e Keila Maschio

Encenação: Estação LEMBRE-SE DE MIM – Natalia Mallo; Estação DEVIR O QUE? – Lu Favoreto; Estação EMBORAR – Cibele Forjaz

Concepção : Lúcia Romano – Barca de Dionisos

Produção: CENTRO DE EMPREENDIMENTOS ARTÍSTICOS BARCA LTDA

Parceria criativa: Cia Livre

Realização: Secretaria Municipal da Cultura – Prêmio Zé Renato

SERVIÇO

Tríptico A Morte da Estrela

De 5 de outubro a 4 de novembro, com sessões às quintas e sextas, das 19h às 22h e, aos sábados e feriados, das 18h às 21h | Tem intervalos entre cada espetáculo para entrada e saída de público | Cada narrativa dura entre 45 e 55 minutos

Quintas e sextas:

19h – Estação#1 – Lembre-se de Mim

20h – Estação#2 – Devir o Quê? 

21h – Estação#3 – Emborar

Sábados e feriados

18h – Estação#1 – Lembre-se de Mim

19h – Estação#2 – Devir o Quê? 

20h – Estação#3 – Emborar


Oficina Cultural Oswald de Andrade – Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro/SP
Ingressos: gratuitos | Retirar na bilheteria com 1 hora de antecedência
Classificação indicativa: 12 anos

AÇÕES FORMATIVO-AFETIVAS

Dia 09/10, das 19h às 21h30

Roda de conversa 1 – Criação autoral e artivismo de mulheres: políticas de produção, gestão e difusão do processo criativo

Com Janaína Leite e Luciana Lyra | Mediação de Lúcia Romano  

Dia 11/10, das 19h às 21h30

Roda de conversa 2 – Escrita da cena, dramaturgia e engajamentos identitários e pós-identitários 

Com Vana Medeiros e Maria Fernanda Vomero | Mediação de Lúcia Romano  

Dia 18/10, das 19h às 21h30

Conexão crítica: formação de espectadoras-participantes no Tríptico A Morte da Estrela – quem faz é quem assiste

Encontro com espectadorxs, voltado para a análise coletiva e para a problematização crítica de aspectos temáticos, poéticos e formais do espetáculo Tríptico A Morte da Estrela, à maneira de uma “escola de espectadoras”, destacando as questões da expectação participativa, em relação ao gênero feminino.  

com Poliana Pitteri e Vanessa Biffon Lopes

Dia 24/10, das 19h às 21h30

Costura prática: modos de atuação no Tríptico A Morte da Estrela.  

Experimentação dos pressupostos criativos e das poéticas do espetáculo Tríptico A Morte da Estrela, a partir dos enfoques no corpo-voz e na produção da presença.

com Thais Dias, Bel Borges e equipe do espetáculo

Dia 25/10, das 19h às 21h30

Costura prática: desmontagem em processo do Tríptico A Morte da Estrela.

Experimentação dos procedimentos de trabalho, com foco na constituição do coletivo e nas “tecnologias” do espetáculo Tríptico A Morte da Estrela (das textualidades, da luz, sonoplastia, dos figurinos, da cenografia etc).

com Thais Dias e equipe do espetáculo

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas