BLOG

57% da população trans em São Paulo é negra

Mapeamento da população trans na cidade de São Paulo procurou responder a questões sobre marcadores raciais, classe social, geracionais e também suas condições de acesso à saúde e educação.

Por Carolina Messias

Entre dezembro de 2019 e novembro de 2020, a Prefeitura de São Paulo realizou um mapeamento da população trans na cidade organizada pelo CEDEC – Centro de Estudos de Cultura Contemporânea.

O estudo procurou responder a questões como: quão diversificada é a população trans – distinta por marcadores raciais, de classe social, geracionais e religiosos? Quais suas condições de acesso à saúde, educação, trabalho e moradia? Como está sujeita às situações de violência física e moral em ambientes domésticos e públicos?

Ao todo, foram entrevistadas 1.788 pessoas em São Paulo através de questionários realizados pessoalmente e também por telefone.

Sobre os entrevistados

Em uma primeira etapa, o estudo visou compreender as condições de vida das pessoas trans que vivem na cidade, uma vez que os dados sobre este segmento são quase inexistentes.

Concluiu-se que 48% são mulheres trans; homens trans e travestis correspondem a 23% cada um, e 6% consideraram-se pessoas não binárias.

Em relação a faixa etária, os entrevistados em sua grande maioria possuem entre 16 e 35 anos.

Considerações

A  pesquisa considera que a população trans é, em sua maioria, composta de mulheres (70% entre travestis e mulheres trans), jovens (70% com até 35 anos) e  solteiras/os (75%).

Em relação à identidade racial,  57% se autodeclararam de cor preta e parda; 51% possuem escolaridade média; e 40% não se considera religiosa/o.

A saída do convívio familiar, tema que é bastante frequente e, muitas vezes, traumatizante na vida de pessoas trans, também está na presente na pesquisa, bem como com quais pessoas vivem atualmente, qual tipo de moradia e região.

75% deixaram de morar com a família precocemente e atualmente cerca de 31% vivem sozinha/o ou, menos frequentemente, com companheiros e amigos (23%).

Na pesquisa também há outras abordagens como fonte de renda e trabalho, saúde, uso de álcool e outras drogas, situação de  violência e pode ser acessada na íntegra aqui.

Foto de capa: Reprodução site Pheeno

Nós Mulheres da Periferia é um coletivo jornalístico independente, transparente e apartidário formado por jornalistas moradoras de diferentes regiões periféricas da cidade de São Paulo. Atuantes em diferentes plataformas de comunicação, sua principal diretriz é disseminar conteúdos autorais produzidos por mulheres e a partir da perspectiva de mulheres, tendo como fio condutor editorial a intersecção de gênero, raça, classe e território. O conteúdo do Nós Mulheres da Periferia é livre de direitos autorais e reproduzido aqui no site da Casa 1 com os devidos créditos.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

MST realiza o 1º Encontro Nacional de Travestis e Transexuais Sem T...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

Primeira parlamentar travesti no estado do Rio de Janeiro lança liv...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...