BLOG

“A Doença do Outro”: peça sobre HIV e sorofobia estreia em São Paulo

Vencedor do sétimo edital da Mostra de Dramaturgia em Pequenos Formatos Cênicos do Centro Cultural São Paulo “A Doença do Outro”, espetáculo de Ronaldo Serruya dirigido por Fabiano Dadado de Freitas, volta aos palcos para uma temporada presencial com estreia marcada para sábado (5), às 20h30 no Teatro de Contêiner.

A peça traça um diálogo sobre pessoas que vivem com HIV, suas conquistas sociais e as estigmatizações que enfrentam. Em formato de palestra-performance, a obra é um processo autoral de Serruya, autor e ator do monólogo.

“Para a maioria, o corpo portador do HIV é um corpo perigoso, recusado, fracassado e sigiloso. Escrever a peça era um sonho antigo, agora materializado como forma de recusar o silêncio e a culpabilização”, diz o ator. 

Para ele, que recebeu o diagnóstico posivito em 2014, nos 40 anos da descoberta do vírus, os avanços científicos foram enormes, mas a sorofobia ainda é muito presente, transformando o HIV em uma doença social. O ator encontrou nos discursos artísticos uma maneira de criticar, debater e confrontar toda a construção dos estigmas em torno da doença.

Na direção, Fabiano Dadado traz para a encenação as questões abordadas na construção textual. Apostamos no formato de palestra-performance, mas em uma construção conjunta com a plateia”, adianta. Ele ainda conta que a opção pelo uso de várias projeções ajudará nesse contato mais direto com o público. “Ao longo do espetáculo a performance invade a palestra”, pontua o diretor.

Serviço

“A Doença do Outro”, de Ronaldo Serruya
Quando: de 5 a 21 de março – sábado, domingo e segunda-feira -, às 20h30;
Onde: Teatro de Contêiner Mungunzá – Rua dos Gusmões, 43 – Santa Ifigênia (estação de metrô Luz);
Ingressos: R$40,00 (inteira) e R$20,00 (meia-entrada), na bilheteria no Teatro ou antecipadas pelo site ciamuzunga.com.br

Foto de capa: Jonatas Marques

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

Encontro de Lutas: confluências entre o Dia Internacional de combat...

VoteLGBT participa do WebSummit Rio

23ª Feira Cultural da Diversidade LGBT+ transforma o Memorial da Am...

MST realiza o 1º Encontro Nacional de Travestis e Transexuais Sem T...

MPF pede revogação de norma do CFM que recomenda cirurgia precoce e...

Espetáculo LGBT+ estreia gratuitamente em bibliotecas de SP

Sem apoio institucional, professores de SP combatem LGBTfobia com c...

Movimento Indígena LGBTQIAPN+ lança manifesto durante Acampamento T...

Marina Lima celebra sua carreira em show único na Casa Natura Music...

Premiado filme espanhol, “20.000 espécies de abelha” se...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

“Amor e outras Revoluções”, peça inspirada em obra de b...