BLOG

Frente Nacional TransPolítica busca garantir a permanência de pessoas trans na política

Sociedade civil, instituições e parlamentares trans se organizam para que consigam construir proposições conjuntas no enfrentamento ao preconceito e à violência

Por Vitória Régia da Silva

As dificuldades de inserção de pessoas trans na política institucional, a violência política e o desafio da permanência delas nesse espaço levou à criação da 1ª Frente Nacional TransPolítica. A Frente reúne parlamentares trans e travestis eleitas no Brasil e os movimentos sociais organizados para garantir o pleno exercício e uma atuação qualificada em defesa dos direitos desta parte da população. 

A mobilização é organizada pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) e conta com 17 parlamentares e oito instituições da sociedade civil. Entre as parlamentares, fazem parte a vereadora Anabella Pavão de Batatais/SP, a vereadora Benny Briolly de Niterói/RJ, a co-Vereadora Carolina Iara e a deputada estadual Erica Malunguinho, ambas de São Paulo. 

 “Temos uma preocupação não só com a inclusão, mas com a permanência desses parlamentares. A Frente surge como uma resposta de que elas não estão sozinhas. Queremos pautar o enfrentamento dos desafios das mandatas e construir proposições conjuntas dos temas que nos são caros, como empregabilidade e geração de renda, cotas e incidência na educação sobre diversidade sexual e de gênero”, destaca Bruna Benevides, secretária de articulação política da Antra.

manifesto da Frente TransPolítica elenca dez objetivos, que incluem promover os direitos fundamentais da população LGBT+, implementar ações legislativas e  governamentais,  promovendo  as  articulações entre os órgãos estaduais e municipais,  prevenir e educar  para o enfrentamento do preconceito,  discriminação e violência motivados por orientação sexual e/ou identidade de gênero e defender a atuação das mandatas, assessorias, ativistas e instituições que atuam nessa frente.

“É muito importante essa unificação de táticas e ações. [É preciso] que a gente possa ter  o mínimo de coesão entre nós para os enfrentamentos e lutas nacionais. Essa Frente, que é pluripartidária, é muito potente porque mesmo com a diferenças internas, não queremos perder de foco quem é nosso real inimigo, que no momento é o fascismo, o racismo estrutural, o machismo, a LGBTfobia e a desigualdade social”, disse Carolina Iara (PSOL/SP), covereadora da Bancada Feminista no vídeo de lançamento da Frente.

Para a vereadora de Belo Horizonte Duda Salabert (PDT/MG), a Frente vai ser um espaço importante para trocas de experiências e criação de estratégias para avançar com as pautas, e tem um papel de se fortalecer enquanto coletivo.

Candidaturas trans e eleição

As eleições municipais de 2020 marcaram uma virada na candidatura de pessoas trans no âmbito municipal. As quase 300 pessoas candidatas e 30 eleitas foram um recorde no país, comparando com as eleições de 2016. Ao mesmo tempo, 2020 foi o ano em que o Brasil assegurou o primeiro lugar entre os países que mais mataram pessoas trans no mundo. Durante o processo eleitoral, diversos foram os casos de agressões LGBT+fóbicas, havendo relatos, inclusive, de violência física e de violência sexual. 

A Clínica de Políticas de Diversidade da FGV Direito SP, coordenada pelos professores Thiago Amparo e Luciana Ramos, e pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), elaborou um documento, este mês, com propostas de resoluções endereçadas ao Tribunal Superior Eleitoral visando o fomento à participação de candidaturas de pessoas transgênero no processo eleitoral e a proteção de candidaturas LGBT+, entre outros.

O objetivo do documento é estimular a equidade de participação política e candidaturas de pessoas transexuais nas eleições, assegurar a elas o exercício de seus direitos eleitorais e propor aos partidos políticos e ao TSE normas para contribuírem com a realização dos objetivos do documento. 

Na nota técnica “Candidaturas trans e de travestis – obstáculos e violências na política brasileira”, também elaborada pela FGV em parceria com a Antra, sugere-se o enfrentamento dos desafios apresentados a partir da proteção de eleitas/os perante a violência política, padronização estadual e coordenação nacional da coleta de dados sobre violência política contra pessoas transgênero e travestis, levantamento nacional de dados sobre população LGBT+ no Brasil, coleta de dados e respeito ao nome social. 

Segundo o estudo, “o que precisamos nesse momento é barrar a epidemia de violência que segue vitimando corpos dissidentes que tem se organizado para disputar espaços de poder como forma de representar a luta de quem anseia por democracia, acesso a direitos e a dignidade num país que diariamente viola os direitos de sua população”.

Acesse aqui o site da Gênero e Número.

A Gênero e Número é uma empresa social que produz e distribui jornalismo orientado por dados e análises sobre questões urgentes de gênero e raça, visando qualificar debates rumo à equidade. A partir de linguagem gráfica, conteúdo audiovisual, pesquisas, relatórios e reportagens multimídia alcançamos e informamos uma audiência interessada no assunto. O conteúdo da Gênero e Numero é livre de direitos autorais e reproduzido aqui no site da Casa 1 com os devidos créditos.

Notícias Relacionadas

Documentário “Vitória Trans” estreia na Galeria Olido

Renata Peron lança biografia com dramatização e roda de autógrafos

Senado aprova texto que cria recurso de proteção para LGBTQIA+ enca...

Como surgem e se espalham os projetos de lei contra LGBTQIA+ no Brasil

Ministério destina R$ 8,5 milhões em ações para população LGBTQIA+

Mutirão em Minas Gerais oferece retificação de nome para travestis ...

POC CON chega na 4ª edição com mais de 170 artistas, Cosplay Lip Sy...

Por que nova portaria do Ministério da Saúde é boa para pessoas trans

MST realiza o 1º Encontro Nacional de Travestis e Transexuais Sem T...

Primeira parlamentar travesti no estado do Rio de Janeiro lança liv...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

16 indígenas LGBTQIAPN+ para seguir no instagram e ter muito orgulho