BLOG

Websérie retrata a vida de mulheres trans em Petrolina

Com o objetivo de retratar a dimensão política e social de mulheres transsexuais e travestis de Petrolina, discutir os processos de autoafirmação que perpassam a identidade de gênero e visibilizar a produção artística dessas mulheres surgiu “Travessia”, uma web série documental inspirada por obras do cineasta e jornalista brasileiro Eduardo Coutinho. O projeto expõe entrevistas e cenas do cotidiano de Killauea, Katarina Laviny, Luiza Brunah e Oraci que, enquanto ganham a vida como garçonetes, babás e cozinheiras, são também cantoras, rappers, atrizes e dançarinas.

De acordo com o diretor, roteirista e cinegrafista do projeto, Jackson Vicente, “Travessias” revela as dificuldades de mulheres trans e travestis sertanejas entre identidades marginalizadas e agentes culturais de transformação em uma realidade social ainda patriarcal, misógina e
transfóbica. “A importância desse projeto reside no reconhecimento da diversidade e multiplicidade dos papéis que a comunidade transsexual e travesti de Petrolina exerce no processo de transformação da realidade social e da luta por uma sociedade plural, humana e cidadã”, enfatiza.

Nesse sentido, a rapper e compositora Naty Silva, de nome artístico Killauea, expressa grande satisfação em integrar esse projeto. “Ter a oportunidade de compartilhar nossas vivências enquanto mulheres trans e travestis artistas e sertanejas nos permite transgredir o lugar ao qual fomos submetidas historicamente enquanto identidades marginalizadas.”, comemora. Para a cantora Katarina Laviny e a atriz Luiza Brunah, participar dessa “Travessia” foi muito transformador e inspirador. “Foi uma oportunidade de bradar os direitos que a comunidade trans e travesti também possuem de construir perspectivas sobre o futuro e tornar possíveis seus sonhos; além disso, visibilizamos o engajamento social de mulheres trans e travestis sertanejas”, comentam respectivamente.

Já para a artista visual e atriz Oraci, “Travessia” foi uma oportunidade de autorreconhecimento e afirmação de sua identidade travesti. “Têm sido uma oportunidade de demarcar mais uma forma transmutada de mim mesma a partir do reconhecimento político e social que meu corpo
travesti ocupa na sociedade”, revela.

A web série documental está disponibilizada gratuitamente no canal do Youtube Canoeiras Produções e conta com quatro episódios, que abordam as vivências de uma mulher por vez, e oferece, ainda, recursos de acessibilidade para a comunidade surda. “Travessia” é um projeto realizado pela Canoeiras Produções Culturais aprovado e financiado pela Lei Aldir
Blanc do Estado de Pernambuco.

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

MST realiza o 1º Encontro Nacional de Travestis e Transexuais Sem T...

Primeira parlamentar travesti no estado do Rio de Janeiro lança liv...

10 formas de saber mais sobre Libras e a comunidade surda

1ª ‘Marsha’ Trans, em Brasília, teve presença de deputadas federais...

‘Desnecessária’: Alesp encerra CPI da Transição de Gênero sem concl...

Com curadoria de Mel, Casa 1 realiza VII Semana de Visibilidade Tra...

Sesc São Paulo e Revista Cult realizam o Seminário Identidades Tran...

Exigir cirurgia para trans irem a prisões femininas é política tran...

A medicina está preparada para atender pessoas trans? A resposta é não

No RS, pessoas trans e travestis podem retificar o registro civil d...

Como o mercado de trabalho exclui as pessoas trans

Alta do Deposteron e falha do SUS afetam tratamento hormonal de hom...