BLOG

Com Erika Hilton, Caê Vasconcelos e Helena Vieira, “Roda Viva” levou pautas trans a espaço nunca alcançado

Evidenciar que Erika Hilton foi a primeira convidada travesti e negra no centro do histórico “Roda Viva” é chover no molhado, celebrar Caê Vasconcelos (Ponte Jornalismo) como o primeiro jornalista trans na bancada de entrevistadores, ao lado da escritora e colunista da Bazaar , Helena Vieira, também trans, idem, porém não são fatos a serem tratados como menos importantes, pelo contrário.

Laerte foi centro do programa em 2012, mas a cartunista já tinha uma história profissional de muito sucesso antes de transicionar, é também uma mulher branca de classe média. Nada disso invalida o ineditismo, nada disso diminui a importância de Laerte, no entanto, revendo o programa original, as pautas eram ainda muito focadas nas questões identitárias de gênero, foi quase uma aula sobre marcadores sociais e de novo, não desimportante, é uma entrevista retrato de seu tempo.

Nove anos separam as duas entrevistas, e com toda sua potência, Erika Hilton ecoa os amadurecimentos da luta trans, escancara as intersecções e dá nome às necessidades. Com as boas perguntas de Caê e Helena, Erika explanou sobre mandatos coletivos, políticas públicas, saúde, representatividade de corpos trans nas artes e por aí vai. Celebrou ainda a negritude, trouxe a tona a ancestralidade negra e trans. Apresentou à uma parcela considerável da população conceitos até então desconhecidos.

Para muitos de nós que está na luta aquele discurso já foi ouvido muitas vezes, com sorte internalizado, porém somos ainda muito poucos, é preciso cada vez mais que Erikas, Caês, Helenas estejam nos veículos de massa, que dialoguem e explanem cada vez suas ideias e ideias. É preciso ocupar cada vez mais!

Cabe ainda ressaltar as excelentes participações de Thiago Amparo, professor de Direito da FGV-SP e colunista da Folha de S. Paulo; Angela Boldrini, repórter da Folha de S. Paulo e Vitória Régia da Silva, repórter da Gênero e Número. Todos, todas e todas muito queridas.

E se você perdeu, pode assistir a entrevista completa aqui:

A Casa 1 é uma organização localizada na região central da cidade de São Paulo e financiada coletivamente pela sociedade civil. Sua estrutura é orgânica e está em constante ampliação, sempre explorando as interseccionalidade do universo plural da diversidade. Contamos com três frentes principais: república de acolhida para jovens LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) expulsos de casa, o Galpão Casa 1 que conta com atividades culturais e educativa e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos psicoterápicos, atendimentos médicos e terapias complementares, com foco na promoção de saúde mental, em especial da comunidade LGBT.

Notícias Relacionadas

16 indígenas LGBTQIAPN+ para seguir no instagram e ter muito orgulho

Coletivo AMEM apresenta “Ball: Isso é Baile”, na Fábric...

BICHADOS, da Cia. Artera de Teatro, faz temporada na Oficina Cultur...

Casa 1 realiza VII Feira de Empregabilidade Trans, Travesti e Não B...

Ball Vera Verão cria Vera Verso em sua sétima edição

Casos de violência contra lésbicas aumentaram 50% em oito anos, mos...

O que diz nova resolução do Governo de SP sobre pessoas LGBT+ no si...

Em 2024, Masp terá programação focada na diversidade LGBTQIA+

Conselho Nacional orienta as preparatórias para a 4ª Conferência Na...

A história pioneira de João W. Nery em seus livros de memórias

Mahmundi faz show de sua nova turnê Amor Fati na Casa Natura Musical

Casa 1 realiza primeira chamada aberta do ano para educadores e ofi...