A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (2), a chamada lei Padre Julio Lancellotti, que visa coibir a construção de intervenções antimoradores de rua nas cidades brasileiras.

A proposta, de autoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES), pode agora ser votada pelo plenário da Câmara e, se aprovada, vai à sanção de Jair Bolsonaro (PL) -o presidente já fez críticas ao religioso.
O texto, aprovado por unanimidade, veda “o emprego de técnicas de arquitetura hostil em espaços livres de uso público”, como praças, calçadas, ruas e viadutos.

Exemplos disso são pedras pontiagudas ou ásperas, divisórias em bancos, pontas de ferro ou cercas eletrificadas, intervenções comuns nas grandes cidades brasileiras.

Se o texto for aprovado, a vedação será inserida no Estatuto da Cidade.

“É uma brutalidade você andar pelas cidade e ver que debaixo de pontes e praças são acrescidas formações na arquitetura para impedir que uma pessoa em situação de rua possa dormir, por exemplo”, afirmou o deputado Orlando Silva (PC do B-SP), que foi relator do tema na comissão.

“Combater a arquitetura hostil é tornar as cidades mais humanas”, completou.

A proposta surgiu após inúmeras denúncias feitas por Julio Lancellotti, que comanda a Pastoral do Povo de Rua, em 2021, durante o auge da pandemia.

Em fevereiro do ano passado, o padre usou uma marreta para quebrar pedras que a Prefeitura de São Paulo havia instalado embaixo de um viaduto na zona leste para impedir que pessoas sem casa dormissem no local.

Leia mais: “18 momentos em que Padre Júlio Lancellotti ‘fez tudo sozinho’

A pandemia fez com que a população de rua aumentasse na capital paulista, sobretudo no centro da cidade.

Segundo a Secretaria Municipal de Assistênca e Desenvolvimento Social, há quase 4.000 crianças e adolecentes, menores de 18 anos, vivendo atualmente em situação de rua.

No final de 2021, antes das mais recentes intervenções policiais que espalharam a cracolândia por diversos pontos da região, a fundação de Lancellotti calculava que havia um total de 35 mil pessoas em situação de rua em São Paulo.

Leia mais: “Ponto alto do MTV MIAW 22 é discurso de Padre Júlio Lancellotti

O número representa um aumento de 10 mil -ou 40%- no registrado no Censo de 2019.

Em 2022, a Prefeitura realizou um novo Censo, que identificou quase 32 mil pessoas sem-teto. Um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais, no entanto, indica que esse número pode ser maior, superior a 42 mil pessoas.

O levantamento da universidade afirma ainda que, no cenário nacional, mais de 180 mil pessoas podem estar vivendo na rua em 2022.

POR JOÃO GABRIEL E DANIELLE BRANT
BRASÍLIA, DF

Foto de capa: Reprodução/ Redes Sociais

Por Folha Press

A Folhapress é a agência de notícias do Grupo Folha e comercializa e distribui diariamente fotos, textos, colunas, ilustrações e infográficos a partir do conteúdo editorial do jornal Folha de S.Paulo, do jornal Agora e de parceiros em todos os Estados do país. O serviço da Folha Press foi contratado pela Casa 1 em março de 2021 para estimular o acesso à informação de qualidade, com responsabilidade ética e jornalística e é publicado junto de conteúdos produzidos pela equipe de comunicação e outra agências de notícia independentes, igualmente qualificadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Oie, divide seu email com a gente?

Assim você pode receber nossas novidades a cada mês :)

Obrigada!

ERRO!

Casa 1 will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.